Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um peculiar Verão, o dos bruxelenses. Famílias em vestes encaloradas, mangas curtas e calções, nós de camisolas e chapéus-de-chuva, nariz pingando. Unidos no parque, um festival de teatro infantil, mímicos, cantores e saltimbancos. Um número óptimo, um grupo saltimbanco, figuras monstruosas, em histriónico bailado pop-rock bilaniano puro. O delírio, um pouco assustado, dos miudos. E sorrisos progenitores. Também protectores.

bilalcapa.jpg

Logo mergulho nas bdrias. Recompro este "Le Vaisseau de Pierre" (Les Humanoides Associès, 2003), os inícios de Bilal (e Christin) lá em 1976. Há quanto tempo não o lia? E agora a fazer-me lembrar que foi Bilal a trazer a insuportável herança gótica (Druillet e quejandos) para a respeitabilidade do "bom-gosto" (oops).

E a delícia ideológica: aqui uma utopia anti-capitalista pura. Confrontando-se com a instalação de um gigantesco complexo turístico a aldeia piscatória e todos os seus ancestrais milenares

bilal-maisvelhos.jpg

bilal-menires.jpg

(inclusive os monstruosos seres iniciais, raízes de menires, sempre incógnitos), acantonados no velho castelo (nas cercanias da anta) à guarda do merliniano cego, são transferidos, pedra a pedra, espírito a espírito, para uma América Latina (terra de indígenas que tocam flautas), regressando à paz equilibrada, ecológica, espiritual.

bilal-castel.jpg

Não ocorreu ao duo Bilal/Christin de então que o castelo (e a anta?), a aldeia edificada, e toda a sua gente viva e passada, fossem uma agressão gigantesca aos monstruosos seres e milenares ancestrais lá nas terras dos actuais flautistas? E ao ambiente dos actuais?

bilal-hotel.jpg

Tal e qual como o novo hotel lá na terra afinal pré-bíblica deles?

Não se trata só de afirmar uma ontologia benéfica ao "bom povo" e suas raízes - um romantismo medievalista um pouco mais exótico, projectando o desconhecimento da história (não era o castelo o sítio dos enrugados e engordados donos da corveia e do direito de pernada?). Trata-se também de lhe associar, implicitamente, a ideia da tábua rasa exo-europeia.

Os primórdios da alterglobalização na sua vertente anti-industrialista, anti-capitalista.

Em suma? Diverti-me imenso no bailado bilaniano. E adorei reler o mestre. Que se lixem as interpretações. Eunucas.

publicado às 11:49


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Adjunto de Pai Natal | ma-schamba a 26.01.2013 às 12:38

[...] Lobo Antunes; “Fagin, le juif”, de Will Eisner (algo verdadeiramente sumptuoso); “Le Vaisseau de Pierre”, de Bilal; “Marias Deste Mundo”, de Maria Helena Massena Ferreira; “Another Day of [...]

comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Bloguistas







Tags

Todos os Assuntos