Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A Trégua

por jpt, em 09.10.08

capa-levi-tregua.jpg

[Primo Levi, A Trégua, Teorema, 2004, tradução de José Colaço Barreiros] 

"A primeira patrulha russa chegou à vista do campo pelo meio-dia de 27 de Janeiro de 1945. ... Eram quatro soldados muito jovens a cavalo, que avançavam cautelosos, com as metralhadoras nos braços, ao longo da estrada que delimitava o campo. Quando chegaram junto do gradeamento, detiveram-se a observar, trocando entre si palavras breves e tímidas, e dirigindo os olhos tolhidos por um estranho embaraço para os cadáveres descompostos, para os barracões desconjuntados, e para nós poucos que estávamos vivos. ...

Não  saudavam, não sorriam; pareciam oprimidos, não só pela piedade, mas por uma confusa discrição, que lhes selava as bocas e prendia os olhos ao cenário fúnebre. Era a mesma vergonha bem nossa conhecida, a mesma que nos submergia a seguir às selecções, e de cada vez que nos calhava assistir ou ser submetidos a um ultraje: a vergonha que os alemães não conheceram, a que o justo sente perante o pecado cometido por outrem, e o atormenta que exista, que tenha sido introduzido inexoravelmente no mundo das coisas que existem, e que a sua boa vontade tenha sido nula ou escassa, e por isso não valeria a pena defendê-la." (8-9)

"... e no entanto a 15 de Outubro [de 1945] ... atravessámos uma nova fronteira e entrámos em Munique ... o facto de sentir pela primeira vez, debaixo dos nossos pés, um pedaço da Alemanha ... sobrepunha ao nosso cansaço um estado de espírito complexo, feito de insofrimento, de frustração e de tensão. Parecia-nos ter algo a dizer, enormes coisas a dizer, a cada alemão em separado, e que cada alemão tivesse a dizer-nos a nós ... Saberiam "eles" de Auschwitz .... Se sim, como podiam andar na rua, e voltar para casa e olhar para os filhos, passar os patamares de uma igreja? Se não, deviam, deviam sacramente ouvir e ficar a saber connosco ...

Parecia-me que cada um deveria interrogar-nos, ler-nos na cara quem éramos, e ouvir com humildade os nossos relatos. Mas ninguém nos olhava nos olhos, ninguém aceitou o desafio: estavam surdos, cegos e mudos, entrincheirados entre as suas ruínas como numa fortaleza de desconhecimento desejado, ainda fortes, ainda capazes de ódio e desprezo, ainda prisioneiros do antigo misto de soberba e de culpabilidade.

Tentativa vã e insensata: visto que não eles, mas outros, os poucos justos, responderiam em vez deles." (245-246)

"... e não cessou de me visitar ... um sonho pleno de terror ...estou de novo no Lager, e nada era verdadeiro fora do Lager. O resto era uma breve pausa, ou engano dos sentidos, sonho ... Agora este sonho interno, o sonho da paz, já acabou ... e oiço ressoar uma voz, bem conhecida; uma única palavra, não imperiosa, mas antes curta e baixinha. É a do comando da alvorada em Auschwitz, uma palavra estrangeira, temida e esperada: levantar, "Wstawac"." (249-250)

publicado às 12:06


comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Bloguistas







Tags

Todos os Assuntos