Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O tempo não volta para trás

por mvf, em 19.10.13

O tempo desta vida parou para António Mourão. 
António Mourão, nome artístico de António Manuel Dias Pequerrucho, enorme cantador de Fado, saltou para a ribalta quando no teatro Maria Vitória entrou na revista (à portuguesa) "E Viva o Velho" com o que veio a ser o seu maior êxito "Ó Tempo Volta para Trás" e um dos grandes sucessos de sempre da música feita em Portugal e ao contráro do que a agência Lusa lançou e alguns orgão de comunicação por arrasto e preguiça noticiaram - devem ter ido beber a essa fonte fidedigna que é a Wikipédia..., "Ó Tempo Volta para Tás" não é da autoria de António Mourão e sim da dupla Manuel Paião e Eduardo Damas. Enfim, o rigor é o que se vai sabendo... Siga a marcha: Mourão começou o percurso profissional pela mão da fadistíssima Argentina Santos no "Parreirinha de Alfama", passou pelo Casino Estoril e actuou diversas vezes no estrangeiro, estando tão à vontade na interpretação de fados clássicos ou fados-canção, como no folclore ou  ainda em temas da música dita ligeira. À disposição no tubo estão sucessos com "Chiquita Morena", "Mãe", "Meu Nome é Ninguém", "Uma tarde em Salvaterra", uma óptima versão de "A Noite" ou "Estranha Contradição". Ficam aqui registos destas últimas composições e, obviamente de "Ó Tempo Volta para Trás" com a orquestra de Jorge Costa Pinto a acompanhar, numa singela homenagem, infelizmente póstuma, ao cantador que, apesar da enorme aceitação do público, passou de estrela a fascista e reaccionário após o 25 de Abril, já que a malta fixando-se no refrão que é também o título conhecido, já nem ouvia o resto da letra, achando que era um apelo à contra-revolução e um sinal para retomar o curso interrompido da longa noite fascista... Bom, mas nesses tempos revolucionários o Fado, por mais explicações que se tentem para tamanha estupidez, foi considerado uma forma artística nacional-salazarenta, fascizóide e portanto retrógrada, uma canção maldita, com Amália e Mourão, apontados como principais vozes subversivas da doutrina, enquanto Carlos do Carmo rapidamente se despegava das ridículas noções, ficando conhecido aquando do seu mal conseguido restauro capilar e com enorme graça, como o "Capachinho Vermelho. Aliás, o Fado, que agora é incensado por muitos dos que o apedrejaram num conhecido hábito de trocar a casaca conforme o vento lhe dá nas abas -, foi a par de Camões e do Gama das Descobertas, enfiado no mesmo saco bafiento da longa noite fascista. 

 

                                                               

                                                               A Noite 

                                                               

 

 

                                                               Estranha Contradição

Ó Tempo Volta para Trás

 

 

publicado às 20:18


1 comentário

Sem imagem de perfil

De umBhalane a 19.10.2013 às 22:50

Quanto à Sra. Dona Amália foi de injustiça tremenda.
Ao António Mourão e a vários outros também.

Quanto aos meus Egrégios Avós Vasco da Gama, Luís de Camões e, felizmente muitos, mas mesmo muitos outros, foi merecido.
Como Retornados não mereciam outra coisa.

Com a agravante de não terem retornado de Moscovo, Argel, Paris...oh Paris...

Coisa giras!

comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Bloguistas







Tags

Todos os Assuntos