Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




"1974", de Filipe Verde

por jpt, em 23.02.15

filipe.jpg

 

 

Filipe Verde, antropólogo, professor no ISCTE, é, e cito-me, "dono da mais brilhante mente que conheço pessoalmente". Alguns dos seus textos profissionais estão disponíveis na sua conta da rede Academia, mas não está o seu "O Homem Livre", um livro super estimulante que tão urgente é reeditar.

 

Sempre o conheci escrevendo ficção. Agora publica o seu primeiro romance: "1974" (na Esfera dos Livros), que estará à venda na próxima semana. Nele cria uma distopia, um Portugal no qual o PCP tomou o poder após 1974. Num registo seco, nada "literato" mas também nada moralista, bota a realidade se assim. Numa breve saga familiar o abissal vácuo brotado n'"o homem [se não] livre", devastado pela verdadeira inexistência. Como se todos fossemos, e não o seremos?, apenas apanhadores de moluscos, confinados à desesperança da mera praia feita prisão.

 

E, deste modo, também falando das cumplicidades e namoros de hoje, das inconsciências "festejantes" da nossa vida, dos "homens livres" que nem o sabem ser nem, verdadeiramente, o querem ser. Os vizinhos, entenda-se.

 

publicado às 14:35

Ex-votos

por jpt, em 23.02.15

image (3).jpeg

 

Volta e meia os mais furibundistas do estatismo clamam que nada mudou, que isto está como nos tempos d'antes do 25 de Abril e coisas assim. Dislates que lhes rendem laiques, aplausos e, até, votos.

 

A semana passada fui pai. E cruzei um bocado a cidade, em regime de turista, a mostrar à minha filha a cidade que é sua sem que nela alguma vez tenha vivido. No rossio (D. Pedro IV) a meu pedido ela fotografou isto. Uns altares de ex-votos - uma estrutura metálica muito pirosa (L.O.V.E.) onde se engancham os tais ex-votos, agradecimentos/promessas de amor ou amizade, comprados ali mesmo na banca.

 

image (1).jpeg

 

 

Há décadas os ex-votos eram outros. Também esteticamente pirosos, menos hedonistas (o estilo de laicização a que a "classe média" portuguesa consegue aportar) pois ancorados no catolicismo popular. Há algumas semanas demandei Arcozelo e ali encontrei o culto da Santa Maria Adelaide, o recorrente cadáver incorrupto. Na capela ainda lá estão os ex-votos. Pedindo protecção para os soldados arregimentados para o ultramar e suas guerras, coisas de mães, namoradas e até pais roídos pela angústia.

 

Entretanto, desprezando estas coisas e quem as vive, os furibundistas, indignistas (e agora sirizistas), continuam a clamar que isto está como nos "tempos". Pois as pessoas (as "massas", o "povo" ou outra aspeável qualquer) são-lhes verdadeiramente indiferentes.

 

publicado às 12:39


Bloguistas







Tags

Todos os Assuntos