Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A apresentação do "1974"

por jpt, em 22.03.15

filipe verde 1974.jpeg

 

Há já um mês que aqui recomendei este "1974" de Filipe Verde. Um romance que inverte o processo político português, tornando o país um regime comunista após aquela data. Sobre isso o Verde escreve um belo e agudo texto sobre o amor, a solidão e a desesperança. E também sobre a relevância, interna e pública, do acto da escrita - repito a chamada de atenção que então fiz, muito se justifica ler o livro.

 

Diz-se, e vê-se, que muito se escreve em Portugal. E muito se publica. Isso é bom - que haja tanta gente com visões e sensações a transformarem-se em ficções. E que possam ser publicadas e vendidas. Tem um outro lado da face, essa profusão de edições: se não um sucesso imediato, se não vendem como papo-secos quentes, os livros desaparecem das livrarias pouco após a sua chegada, são como se fiambre de curto-prazo, iogurte azedo até. São reenviados para os armazéns das editoras, onde guilhotinhas pressurosas os aguardam, e substituídos nos ávidos escaparates por outros garimpeiros de leitores.

 

Por isso, para que este belo "1974" não desapareça assim, passada que já está a quinzena de guarida nas livrarias - ainda para mais porque ainda que sendo Filipe Verde autor de uma muito importante obra como antropólogo se estreia agora na ficção publicada -, vos chamo a atenção: será apresentado na Livraria Bertrand do Chiado, na próxima quarta-feira dia 25 de Março, às 18.30 horas. Quem quiser (e puder) conhecer o autor e o que tem a dizer vá até lá. Quem não o possa fazer fica aqui este aviso, para sublinhar o importante: em encontrando o livro num escaparate ou numa estante leve-o, e leia-o. É muito provável que goste. 

publicado às 15:22

ampulheta.jpg

 

Interessante texto no Machina Speculatrix: ali se refere a iniciativa a presidente da A.R. portuguesa, Assunção Esteves, de propor aos membros da CPLP o programa “Programa Pessoa CPLP”, de mobilidade de estudantes do ensino superior e profissional similar ao "Erasmus" na União Europeia.

 

Porfírio Silva (o autor do blog) saúda a iniciativa de Esteves e a sua abertura às ideias da oposição pois, recorda, esta é uma proposta da nova direcção do Partido Socialista (a qual julgo que ele integra) inscrita no seu documento programático "Agenda para a Década", inclusive com o realce de um capítulo "Valorizar o Espaço Lusófono" e que cita no postal que aqui ligo. Independentemente da paternidade da proposta - questão política que Porfírio Silva aflora -, muito saúdo esta convergência sobre a matéria, a qual muito me interessa, até profissionalmente.

 

Entretanto, e porque o próprio postal em causa convoca explicitamente à reflexão dos leitores sobre o assunto, lembrei-me de um postal no ma-schamba: "Intercâmbio universitário em espaço lusófono". Está datado de 15 de Junho de 2004: refere a assinatura entre os ministro da educação/ensino superior da CPLP de um protocolo para a criação em dez anos de um espaço lusófono comum de ensino superior, para "promover a mobilidade de estudantes, professores, investigadores e técnicos".

 

Então, nesse postal, elaborei algumas ideias sobre a matéria. E transcrevi a notícia do "Público" com os desígnios do membro do governo português. Foi há onze anos. 11 anos! - e seria interessante saber o que se fez entretanto. Algo?

 

Agora os grandes partidos portugueses propõem o mesmo. E discute-se a paternidade da ideia "actual" ...

 

Até daqui a uma década.

publicado às 11:49

No feedly (28)

por jpt, em 22.03.15

sardinhas.jpg

 

Da coragem, no Abencerragem.

Manual ..., no Depressão Colectiva.

O primeiro passeio no espaço, no Herdeiro de Aécio.

Cervantes, no The Cat Scats.

Mesas de Lisboa, no Ponto Come.

Do Sahara à Amazónia, no Bioterra.

Foi Assim a Guerra das Trincheiras, no Leituras de BD. Também referido no Por um Punhado de Imagens.

Tags:

publicado às 11:45

No feedly (27)

por jpt, em 22.03.15

cantina1.jpg

 

Os anjos são como a revolução, vêm de bicicleta, imperdível no Escrever é Triste.

 

Wanderers, de Erik Wernquist, um belíssimo filme, via Bitaites.

 

A Lisboa de hoje e de amanhã, de António Lopes Ribeiro, um belíssimo filme, via Corta-Fitas.

 

Antigas observações de outros "observadores", no Herdeiro de Aécio.

 

Postal de um dia na estrada, um passeio por Portugal no Aventar.

 

Ser livre, no The Cat Scats.

publicado às 11:40

No feedly (26)

por jpt, em 22.03.15

formaggio pastorella.jpg

 

A Fúria do Cinzento no A Terceira Noite.

 

A Esquerda e a Ecologia do Terror, no A Terceira Noite.

 

12 Bandas Portuguesas Pop de Vanguarda, no Bitaites.

 

Leonard Nimoy: longa vida a fotografar, no Bitaites.

 

Tiro ao Lado, no A Barriga de um Arquitecto.

 

A Esquerda Cega e Surda, no Delito de Opinião.

 

Ensaio sobre a Cisma, no Escrever é Triste.

 

Yvone Kane (2014), no À Pala de Walsh.

Tags:

publicado às 11:32


Bloguistas







Tags

Todos os Assuntos