Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




"Mundo Português" 2

por jpt, em 22.12.03

Ontem mesmo, arrastando em Lisboa este tempo que por cá me resta, enfrentei aquele início de alfarrábio, ali postado entre o café Luanda e o café Polana, a avenida assim a agigantar-se em mapa cor-de-rosa. E descobri esta jóia, os poemas de Jorge Ferreira em “Saudade Macua”, um pequeno livro de 1969 e que então ganhou o Prémio Camilo Pessanha, atribuído pela Agência Geral do Ultramar e acredito que muito merecidamente.

 

Sou mero leitor, nada especialista em literatura, serão as minhas opiniões sobre os méritos deste livro apenas senso comum. Mas não posso deixar de realçar a obra, talvez até retirá-la do esquecimento, desmerecido, tão percursora ela é das sensibilidades e noções de hoje, a abrangente lusofonia. Pois nela se corporiza (antevê?) este sentimento lusófono que vem unindo portugueses e seus irmãos de outros continentes, não só a história que nos une, como ainda a comunhão que a habita nos correres dos tempos. Veja-se como Ferreira antecipa estas décadas do hoje em dia, Estados talvez apartados pelos ventos da política, povos unidos pela língua e pelo sentir, por tantos interesses comuns. Repito, a revisitar, este hoje esquecido poeta:

 

"O Branco da Terras"

 

Oliverra é o branco da terras’

Oliverra é nossa pai

gente conhece

gente entende

a nosso amigos’Oliverra

machamba de s’Oliverra

é sempre bom

chi..s’Oliverra

branco tem feitiço!

S’Óliverra usa chapéu

sol é muito quentee

s’Oliverratem careca.”

 

Ah, tanta harmonia nesses dias, tanta harmonia para hoje.(Jorge Ferreira, Saudade Macua, Agência Geral do Ultramar, 11)

publicado às 18:50



Bloguistas




Tags

Todos os Assuntos