Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

M. Anne Pitcher, Transforming Mozambique. The Politics of Privatisation, 1975-2000, Cambridge U.P., 2002

 

(Trouxe de Neilspruit, nunca o vi aqui distribuído.)

 

Pitcher é incontornável na história económica de Moçambique, o seu "Politics in the Portuguesa Empire: the State, Industry and Cotton, 1926-1974" (Oxford U.P., 1993) é excelente sobre o regime colonial.

 

A pedir, claro, leitura mais demorada. Numa primeira vista (a habitual, introdução e capítulo final) arrepio-me à utilização, mesmo que depois matizada, da ideia de que há uma percepção generalizada de "recolonização" (por via do regresso das autoridades tradicionais, por via do regresso dos portugueses, por via da etnicização urbana) [237] - muito polémico, muito problemático. Mas enfim, é para isso que existem os livros: para se lerem, e só depois argumentar. Para mim ainda é cedo.

 

Sobre o processo de constituição de uma economia de mercado, diz:

 

"As researchers have found in other post-socialist countries, there is a degree of path-dependence to the current trajectory of capitalism. It is evident in the way privatization has been implemented, in who benefits from sales of state assets, in who participates in grand projects, and in the roles of the state. Both the advocates of neo-liberalism and their critics have underestimated the extent to which post-command states - those who occupy its institutions as well as existing social forces who may have cooperated with and challenged them - have captured and reshaped the neo-liberal agenda. Technical and administrative approaches treat former command economies as if they are blank slates. They ignore the politics of privatization. The irony actually may be that some privatizations are "successful" precisely because they have captured by old networks, inclusive of state institutions and state elites." (238-239)

 

Leitura bem interessante e, em minha opinião, clarividente, sobre a realidade moçambicana (e não só?). Ainda mais porque aligeirada dos costumeiros juízos de valor.

 

Mas a este propósito não posso deixar de associar. A universal derrocada da agenda marxista, década e meia atrás, foi muitas vezes explicada pelos seus defensores como internamente provocada (autoritarismo estalinista e sua matriz, "erros e desvios"), ou seja por via de perversões a um modelo, à sua não aplicação, à sua corrupção. No fundo, uma visão moralizante.

 

É interessante assistir hoje à constância de um discurso sobre as características do modelo neo-liberal em África, sempre visto (pelos seus defensores e não só) como pervertido por autoritarismo cleptocrático ou sua matriz, por "erros e desvios", pela sua não aplicação verídica, pela sua corrupção. Entenda-se, pela corrupção. No fundo, repito, uma visão moralizante.

 

Em ambos os casos, visões moralizantes e a-sociológicas. E, já agora, a-históricas. A primeira corrente já faleceu, pouco lhe durou o estertor após o colapso comunista. A segunda anda aí, ainda altaneira.

 

Em ambas as agendas, e em ambos seus escribas, uma enorme incapacidade de entender as sociedades, e entendê-las a funcionar ("the politics"). Em ambos, marxistas "mais marxistas" (dantes ditos ortodoxos) e em liberais "mais liberais" (mas meros ignorantes ou estratégicos simplificadores, ou seja, ortodoxos) a mesma desconfiança pelo social [esse "the politics" acima citado], sempre este renitente a moldar-se aos modelos.

 

Grupos de escribas sempre muito afamados no seu tempo. E sempre desconfiados da sociologia (antropossociologia), nuns porque lhe dizia o que não lhes cabia, noutros (estes novos sacristões são piores, talvez apenas porque estão vivos) porque ouvem "socio..." e julgam sempre ser "socialismo". E em ambos os mosteiros o eterno monoteísmo da economia. Idólatras. E assim, porque impotentes, moralistas.

publicado às 16:33


Bloguistas




Tags

Todos os Assuntos