Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



com Jall Sinth Hussein

por jpt, em 26.01.08

A sair para Norte e com o entusiasmo de sempre. Mas com a saudade daquele norte nordeste, de me encontrar com esses que se deixam a dizer

Nós os de rosto demorado como o dos velhosnós com o peso de um deus amordaçado sobre os ombrosnós que olhamos as coisas e as choramose que somos semelhantes a uma promessa perdidanão dobraremos perante a mais pequena pressa.

capa-hussein.jpg

Jall Sinth Hussein, Poemas do Índico, Vila Nova de Famalicão, Amores Perfeitos, 2004

publicado às 02:01

Poemas do Índico

por jpt, em 14.11.04

Jall Sinth Hussein, Poemas do Índico, uma edição Amores Perfeitos.

Abaixo transcrevo excerto do prefácio, da autoria de António Jacinto Pascoal, a quem mais uma vez agradeço a simpatia para com o Ma-Schamba.
****


Jall Sinth Mussa Hussein (? – 1982) nasceu em Muipiti, na Ilha de Moçambique, filho de dois indianos a que, à época, se chamava de monhés. Não sabemos a data de seu nascimento, mas segundo aquilo que meu pai nos contou, terá morrido em 1982, em Maputo. Meu pai, militar de carreira, cumpria o serviço militar em Moçambique, tendo passado por Tete, Nampula e Lourenço Marques. Visitava regularmente a ilha, onde fazia praia junto ao forte, e foi aí que, um dia, terá conhecido Jall. (…)

Neste livro reúne-se o conjunto dos tercetos que Jall intitulou de Basma que é uma palavra de origem turcomana ligada à estamparia de tecidos (recorde-se que Jall era dono de um bazar), bem como uma série de poemas sob o nome de O Que Dizem as Coisas. Os dois livros fazem parte de uma unidade que uma folha branca escrita a lápis designou por Poemas do Índico. E de facto, há uma coerência temática na obra deste indiano, em que a obrigação de estar atento ao real e à fusão com os elementos da natureza são temas recorrentes. Estamos em crer que este livro transmite a herança duma cultura fronteiriça oriental no limiar do Ocidente, possuindo uma sensibilidade e uma nobreza comum a imensas obras de ressonância árabe e asiática que celebram o amor pela vida como o mais alto valor na vida. (…)

A obra de Jall Hussein é um hino à dignidade, à luta e à liberdade humanas, numa espécie de diluição do homem com os elementos da natureza. As referências constantes a autores orientais, o referente do Índico, a forma poética que remete para o hai-ku japonês, e os poemas de filiação taoista e helénica prefiguram uma poesia que busca a essência do mundo e as grandes preocupações do homem, sem deixar de estar atenta às fragilidades e aos aspectos mais ínfimos da condição humana. É, por isso, uma poesia universal, plena de um discurso hierático, mística e clássica, revelando as necessidades mínimas da linguagem.

António Jacinto Pascoal


publicado às 09:18


Bloguistas




Tags

Todos os Assuntos