Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Estante Austral (2)

“Canal de Moçambique”, edição de 13/8/2014

 

É exactamente o caso deste “Kok Nam 12/12/12”, uma pequena brochura contendo, ainda assim, 43 das suas fotografias e ainda dois retratos do fotógrafo, julgo que obra do seu companheiro Funcho (João Costa), uma publicação do final de 2012, apoiada por GAPI, Sociedade de Investimento.

 

Lamentavelmente é muito escassa a edição bibliográfica dedicada à fotografia moçambicana e/ou em Moçambique. Nos últimos anos a melhoria do cenário editorial tem permitido a publicação de alguns álbuns, na sua maioria de índole turístico-paisagística. Por outro lado, num contexto diferente, a fotografia de autor, com pendor artístico, está a assumir algum relevo internacional, com a extroversão crescente de Mauro Pinto, Filipe Branquinho e Mário Macilau.

 

(O texto completo está aqui)

 

 

 

 

 

publicado às 21:00

Kok Nam no "Dia das Caricaturas"

por jpt, em 20.09.12

A edição do "Savana" de hoje tem um suplemento dedicado ao seu director, Kok Nam. Vários textos escritos para esta ocasião, antigos textos que a ele aludem, algumas fotos da sua autoria, um grande excerto da entrevista que António Cabrita lhe fez e que transformou em livro. A Paola Rolletta foi a coordenadora da iniciativa e teve a simpatia (é amiga) de me pedir uma memória. Os 3000 caracteres que saíram no "Savana" são estes, o que me lembro do "dia das caricaturas" ...

 

Jorge, Nordine, Kok, Nuno, no fim do "dia das caricaturas", já na esplanada dos CFM.

 

O Dia das Caricaturas

 

Sexta-feira, já bem depois de almoço, toca o telefone, é o Nuno, a avisar-me que o Kok está cercado, há centenas de muçulmanos a quererem invadir o Savana, consta que ele sozinho por lá. Surpreendo-me, “o que é que se passa?”, que nada sei, “não viste o Savana?”, resmunga ele. “Nunca compro o Savana!, pá!?” (apesar do Kok … coisas cá minhas). “Publicaram as caricaturas”, “as dinamarquesas?!”, exclamo e tudo se explica. Nisto, e ainda ao telefone, já estou ao volante.

Logo chego, uma multidão à porta, irada. Saio do carro, no outro lado da rua está o Jorge Ramos, sempre indefectível do Kok, aceno mas ele não me nota, mostra um ar desamparado, decerto como o meu, agora que não sei o que fazer, nisto do agir antes de pensar, meu costume ... Vejo partir o Abdulcarimo, ao que me dirão ali ido a acalmar os ânimos. Avanço um pouco e percebo-me hirsuto. Pois com esta cara magrebina, hoje tisnada ainda para mais, sob estas barbas todas, logo me acolhem sorrisos, anuências. A quem me saúda digo “então o que se passa?”, declaro-me amigo do Kok, e que tudo isto me soa a exagero. Acercam-se de mim, gente mais velha, como eu, afáveis, conversamos. Ouço a mágoa serena, até ofendida, com o que ali parece desrespeito ao Profeta.

Mas não é assim com os mais novos. Lá à frente, junto ao portão, há gritos, apupos, invectivas, tudo defronte três ou quatro polícias, estes com pose pouco marcial, como se também atrapalhados com todo este inesperado. Reparo no Luís Sá, da Lusa, com cara de quem está entre a reportagem e a solidariedade preocupada. Cá mais para trás, entre nós, lá fico advogando o Kok, e isto da profissão de informar, mesmo que a alguns desagradando. Não ganho adeptos, mas dizem-me que o respeitam (o Kok é o Kok, sabemos), homem de bem, e que a culpa disto tudo é de fulano ou de sicrano.

A calma vai chegando, que tudo já demora há umas horas. Junto-me ao Jorge e com o Luís escapulimo-nos pelo portão, onde está, honra lhe seja feita, e tão mal dizem do jornal dele, o Leandro Paul, peito feito naquele seu jeito sempre tão gentil, em nome dos jornalistas dialogando com os mais sanguíneos, em apelos à concórdia. Lá dentro com o Kok está um funcionário do Savana, não o conheço, e o grande Nordine, a mostrar que não  o é só de tamanho, mas amigo daqueles mesmo, a chegar-se à frente no momento de ombrear – e disto me lembrarei um dia, bem mais tarde, ao vê-lo como um dos que carregam o caixão do Kok até à pira.

O Jorge atira logo um sarcasmo, daqueles que são abraço, naquele jeito constante que o une ao Kok, carinhos de mano novo com mano velho. Sentamo-nos mais ou menos que ninguém se aquieta. Ele está dorido, pálido. Denso. Com a espessura de ter comandado algo que era necessário fazer. Acontecesse o que acontecesse. Passa tempo, ninguém sabe bem quanto nem o que vamos dizendo. Depois o Nordine vai ao portão e vem dizer que a multidão destroçou. O Kok arruma os pertences. Eu telefono ao Nuno, “isto acabou” e ele convida-nos para uma garrafa de whiskie, para que desanuviemos. “Vá, vamos aos CFM”, aviso, feliz. E todos concordam, felizes.  Saímos, o Luís vai trabalhar, que hoje não mais o verei. Ligo à Paola, a nossa Paula, “onde é que anda o Lima?”. “Está aqui comigo …” diz, inquieta, ela que horas antes tinha aqui estado. “Então diz-lhe para se deixar ficar quieto”, que não ande na rua, que há quem resmungue que é ele o responsável, ouvi-o bem que mo disseram, e nunca se sabe, não vale a pena provocar problemas.

Nisto chegamos à esplanada da estação, o Nuno já tem a Famous e o gelo à nossa espera. Bebemos, falamos, e brota muito latim vulgar. O Kok anima. Tanta é a sede que a garrafa desaparece num ápice, qual suspiro de alívio. Pago eu outra, que logo vem. E chega o Lima, que não se deixou ficar quieto, com o Gonçalves.

O resto é o futuro.

jpt

publicado às 19:12

Chega-me o último número da "Índico" (série III, nº 15, Set/Outubro 2012), a revista de bordo das Linhas Aéreas de Moçambique que o Nelson Saúte tem vindo a produzir nos últimos anos, nisso fazendo um belo trabalho (eu sou suspeito, pois de vez em quando meto um texto, mas parece-me pacífico elogiar a revista).

Neste último número 3 destinos moçambicanos, tão belamente fotografados que aguçam a esperança da viagem: Mecúfi, Songo, monte Mecula (MVF será que ainda temos estofo para metermos uma mochila às costas e ir pelo país?, eu carrego-te as máquinas e tu fotografas ...). Depois um portefólio de fotografias do Funcho sobre "m'siro" (assunto que é a minha irritação de estimação, mas dá para provar que o apelo do exótico não é só estrangeiro). Como cumpre a uma revista de aviação tem destinos internacionais (Viena, Joanesburgo e Madagáscar). Um texto meu, "Kok Nam, o fotógrafo desassombrado" serve a apresentação de uma série de fotografias do Kok, uma homenagem da revista. Tem ainda um artigo sobre os murais de Malangatana, ecoando a recente publicação a eles dedicada, e um outro artigo sobre a expedição "Luanda-Maputo em bicicleta" feita por Pedro Fontes e que aqui agora realizou uma exposição fotográfica que, tal como o livro sobre os murais de Malangatana, foi coordenada pela antiga cônsul de Portugal em Maputo, Graça Gonçalves Pereira.

Uma bela revista, com o tom de revista de bordo. E apetitosa para os amantes do país e para os dele curiosos. Será pois de recordar todos os que têm interesse no país que a L.A.M. apresenta no seu sítio electrónico todas as 14 anteriores edições da III série da Índico (e esta última entrará no "sítio" quando for publicado o próximo número), e fá-lo de uma forma cuidada e pormenorizada. Basta entrar para ler (e ver). Não apenas informo. Recomendo.

jpt

publicado às 11:12

Nos últimos dias aqui deixei várias referências a Kok Nam. E acredito que muitos dos visitantes do blog, não-moçambicanos, não tenham grande conhecimento da personagem. E então é também para eles, para o conhecerem um pouco melhor que aqui transcrevo uma bela entrevista que o João Almada lhe fez há cerca de ano e meio. Estava inédita e foi publicada nesta última edição do Savana. Kok, como de Portugal me escreveu agora um amigo comum, era um tipo bigger than life e ao mesmo tempo de uma simplicidade desarmante. Fica aqui esta memória, que levou o título "É preciso denunciar esta pobreza e esta ostentação luxuosa". Que, até pelo seu cariz autobiográfico, é forma de se conhecer o percurso do fotógrafo. Mas é também um documento para que se compreenda o processo moçambicano - Kok Nam a raspar no vidro...Um texto imperdível.

publicado às 09:58

A aldeia do Kok Nam

por jpt, em 13.08.12

Abaixo referi que o Kok Nam é autor de uma das fotografias da minha vida. Quando primeiro o escrevi ela não estava disponível. Mas agora já está (até à venda). E foi publicada no "Kok Nam. O homem por detrás da câmara", no qual o incansável António Cabrita o entrevistou longamente e que integra 45 fotografias, uma edição da Escola Portuguesa de Moçambique.

A fotografia é esta (a impressão do livro é muito sofrível e ainda por cima eu gravei e reduzi-a: isto não lhe faz justiça). Juntamente com a "velha no celeiro" do Sérgio Santimano, que lhe chamou "Macalange", e com o "apetecido quintal de caniço", de Ricardo Rangel são as minhas fotografias de vida.

jpt

publicado às 05:50

Kok Nam Fotógrafo

por jpt, em 11.08.12
Um pequeno livro publicado em França (Éditions de l'oeil) em 2007, que aqui partilho.

Sobre o Kok Nam escrevi um dia um texto de jornal, "Uma nuvem não ri".  Forma de lhe agradecer, autor que é de uma das minhas fotografias de vida - uma aldeia comunal, que esteve na sua exposição mas não encontro publicada.

jpt

Tags:

publicado às 11:44

Kok Nam, uma nuvem não ri

por jpt, em 16.10.11

 

[Fotografia de João Almada]

 

O texto que escrevi para o jornal "Sol", publicado na edição africana de 13.10.2011. Em versão ligeiramente mais longa ...

 

*******

 

Kok Nom, Uma Nuvem Não Ri

 

 

Neste 25º aniversário da morte de Samora Machel e de grande parte da sua comitiva, perecida em Mbuzini, penso em Kok Nam. Não exactamente devido ao sempre repetido epíteto que lhe atribuem, esse de “fotógrafo de Samora”, “cargo” que na realidade foi de Daniel Maquinasse, fotógrafo oficial do primeiro presidente moçambicano, e com este ombreando no momento da morte.

 

Mais do que a estrita verdade historiográfica, se é que esta existe, o amável título tem uma outra raiz. Em parte factual, pois Kok Nam calcorreou o país e o mundo, acompanhando o presidente moçambicano, registando a sua incessante actividade. Mas mais ainda, a persistência desse epíteto tem outra origem. Com efeito muitas das imagens que fazem o “Samora” actual, o revivem, saíram das suas lentes. Tanto do que é hoje comumente sentido, e assim sabido, sobre o primeiro período da independência moçambicana, esse que agora surge dito como a I República, o é através do olhar de Kok Nam, como ele captou e moldou os tempos que passavam.

 

Entenda-se, são essas suas imagens que fazem reavivar as memórias dos de então, deixando campo para as revisões da história, conduzindo as selecções da memória, promovendo narrativas privadas e públicas. E nesses caminhos alimentando uma visão do país de então nas gerações mais jovens, neste país de tamanhas gerações jovens. Assim sendo será Kok Nam o “fotógrafo de Samora”, como tanto reconhece a voz popular, e tantos dos seus amigos, estes sempre feitos admiradores?

 

Lembro-me de há dois anos ter visitado em Lisboa, com ele e outros amigos, a exposição retrospectiva de Korda, o “fotógrafo de Che Guevara". Foi campo para animada conversa, sobre fotografia, o estatuto da reportagem fotográfica, mas também os “tempos”, aqueles tempos. E nisso logo Kom Nam se chegou a uma auto-análise, dos caminhos de então e de si próprio ali inserido, sempre naquele jeito descomprometido, auto-irónico, e refutando o título. “Fotógrafo samorista, sim”, deixou, entre a nostalgia pelo período nacional e pela carismática figura, “fotógrafo de Samora, não”, nisso sublinhando o respeito pelos colegas que acompanhavam o antigo presidente, em particular o malogrado Maquinasse. Coisa do que lhe é tão próprio, essa solidariedade feita seriedade, algo muito mais do que mera homofonia.

 

Como essa “filiação”? Ideológica, com toda a certeza, a paixão não acrítica, nada acrítica mesmo, pela exaltação do período independentista, mas também o respeito pelo despojamento materialista feito pendor desenvolvimentista do líder de então, uma ética samoriana que por todo o lado é hoje recordada, saudada. E com saudade.

 

Mas há outras duas dimensões desta “filiação”. Sino-descendente, Kok Nam tinha então uma radical excentricidade de fenotipo, partida que fora após a independência a esmagadora maioria da população oriunda do Extremo Oriente. A sua presença no seio da comitivas oficiais, no país e no estrangeiro, fazia-o símbolo do ideal (e prática) multirracial que o poder de então perseguia para o país, uma visão inclusiva de identidade nacional, cosmopolita. Como nos recorda o delicioso episódio narrado por José Luís Cabaço no seu prefácio ao livro “Kok Nam. O homem por detrás da câmara” (coordenado por Teresa Noronha, publicado pela Escola Portuguesa de Moçambique em 2010), recordando a visita a Moscovo em 1976 em pleno conflito sino-soviético, na qual Machel propôs que o fotógrafo fosse o primeiro a sair do avião presidencial assim solitariamente enfrentando a pesada comissão de recepção soviética. Uma entrada em grande …

 

E isso tanto singulariza a influência do fotógrafo, nesta ambivalência de estatutos, por ele bem apreendida, a tal duplicidade da filiação num tempo de arquitectura do país. Um Kok Nam produtor de imagens, nisso produtor do país a moldar, mas também ele imagem produzida, nisso intentando-se ele mesmo como produtor do país, nisso moldado. Assim Kok Nam como ícone de Moçambique.

 

E é por isso que urge regressar à sua vastíssima obra. A ideia que sempre é dita e repetida é a do Kok Nam repórter. Desde a década de 1960, como jovem fotógrafo nos “Diário de Moçambique”, na “Voz Africana”. E depois no seu período profissional de auge, sobre-aquecido pelo momento, pela participação, em que o entusiasmo nacional produziu contextos que os seus olhares captaram, desde o “Rovuma ao Maputo” viagem fundacional de Samora Machel aos passos épicos da revolução moçambicana e até às vivências da guerra civil.

 

Mas ainda que parcialmente sustentável essa é uma visão redutora do tudo que ele nos transporta. Olhando a pequena parcela do seu trabalho que nos tem sido disponibilizada (a exposição individual na PhotoFesta de há alguns anos, o pequeno livro acima referido) o que se torna óbvio é que Kok Nam é muito mais do que um repórter. Talvez que a sua idiossincrática modéstia, o radical desprendimento, o recusar de qualquer estrado, as sonoras gargalhadas sobre si próprio, tudo isso seja responsável por esse relativo desfocar dos olhares alheios sobre o que ele veio produzindo, no fundo uma generalizada impressão mal impressa.

 

Na verdade o que aconteceu é que tendo ele sido elevado a ícone do país se transmutou em produtor de ícones, numa alquimia de amores. E daí a tamanha vitalidade daquele seu auge profissional. Olhando hoje essas suas fotografias, despojadas das algemas da actualidade, o que vemos é um agigantar do real. Sim, um Samora Machel elevado, feito herói mítico, pujante no panteão de pares e povos, mas não só. É toda a panóplia de personagens, todas as matizes das paisagens, essas sempre animadas da gente que as fazem. Pois "uma nuvem não ri", diz o Kok, fotógrafo só de gentes e assim de destinos a fazer. Nisso captando toda a vitalidade, a energia, dessa gente presente fazedora de futuros. Não obrigatoriamente bela, mas pujante. Destinada. Tudo ali, ou seja todos, é mais do que está lá.

 

É assim que Kok surge como o último dos românticos aqui, colocando no real (como se por acaso, e decerto que rindo-se de alguém que lho aponte) uma aura, um tão-mais do que meramente humano.

 

Por tudo isto tão importante é, tão obrigatório se torna, um tratamento intensivo e extensivo, de todo o seu arquivo. Se campo historiográfico há que necessita ser cuidado é toda esta enciclopédia de Moçambique, do então e do talvez-porvir, esculpida pelo seu pendor artístico. Para isso, até pelas características tão perecíveis do material fotográfico, urge a articulação institucional para conduzir à sua digitalização, à sua divulgação. Pois com Kok Nam falar do futuro é falar da preservação. Da memória histórica. E do maravilhoso koknamismo.

 

jpt

publicado às 01:52

O rescaldo de 2010

por jpt, em 27.12.10

Esta coisa do rescaldo no fim do ano é um exercício, costumeiro, de arrogância insuportável. Para o fazer arma-se o indivíduo da omnisciência necessária à divindade, daquela que se apropriou do tudo acontecido na última nesga de tempo, aquela à qual os pobres, e humanos, humanos chamam "ano".  Na realidade sei lá o que se passou durante o ano, nem mesmo da minha vida - entre o distraído e o obtuso, e ainda para mais encerrado na acédia -, neste pior e maldito dos anos que agora termina, posso fazer o altaneiro resumo e elencar os piores e melhores momentos. Mas, ainda assim, trôpego vaidoso, deixo-me botar o que me fica de 2010:

 

Sobre os livros ... Na literatura que obra "a do ano"? "O Olho de Hertzog" de João Paulo Borges Coelho, pelo chorudo prémio (Leya) e pela atenção que (finalmente) convocou sobre a já extensa obra do seu autor - e que espero se possa traduzir em  ... traduções. E em leituras, deste grande escritor moçambicano. Mas também pelo "projecto" que o livro encerra, o manifesto - LM do início de XX como umbigo do mundo. Fantástico de amor, etnográfico e ideal, pela cidade. Excelente (desperdício) como utopia do país, de desautarcia, pelo desencerramento contrário à década que agora vigora.

 

Na "oratura" (é um termo que abomino, referindo-se a literatura oral) uma obra de relevo [e aqui tão rara], "Fábulas de Cabo Delgado", recolha sistematizada por Gianfranco Gandolfo (uma das figuras do ano) e retrabalhadas por António Cabrita (idem). Sou muito pouco simpático a este tipo de fixação (e formatação) das narrativas populares mas o trabalho está muito bem conseguido - resultante da sonolência generalizada esta fixação da literatura popular em língua maconde não teve discussão, nem de especialistas nem de jornalistas nem de "proprietários" (diga-se que obras já bem anteriores do género, de Lourenço do Rosário e Luís Filipe Pereira, também não provocaram discussão crítica). Gandolfo esteve ainda (um grande ano para este trabalhador silencioso) na produção do livro e da exposição Matias Ntundo. Gravuras 1982-2010, um dos acontecimentos em livro e em exposição do ano (esta na Fortaleza de Maputo), central no domínio das artes plásticas. António Cabrita (figura crucial no meio cultural actual em Maputo) esteve ainda noutros eventos, dos quais destaco o excelente (apesar da pobre impressão) "Kok Nam. O Homem Por Detrás da Câmara", com sua entrevista e organização. Obra crucial. E que espero seja antecâmara de um verdadeiro álbum sobre a obra do Kok, a quem alguma apressada miopia continua a reduzir a um mestre de reportagem, coisa que efectivamente ele não é. Sendo muito mais.

 

E o "Com as Mãos", do Luís Abélard. O Luís foi-se embora, cruel e devastadoramente cedo, mas deixou este seu encantado olhar sobre quem com as mãos nos encanta o mundo. Aqui. Inultrapassável livro. Textos dos melhores conhecedores de arte em Moçambique. E fotografias de 24 dos artistas moçambicanos.

 

No cinema João Ribeiro apresentou um filme, que não vi por razões de saúde. Decerto chegará o momento. Importante entender que a sua possibilidade brotou da inflexão dos financiamentos da União Europeia ao cinema africano. Nos últimos anos os caminhos esconsos (ditos lóbis, até com direito a acordo ortográfico) têm vindo a direccionar estes recursos para o cinema afro-francófono. No penúltimo processo o afro-lusófono foi alvo de vários financiamentos (o que já não aconteceu, dizem-me, neste último concurso), algo possível por razões de pressão política. A ver se tal caminho de financiamento continuará a ser percorrido.

 

Na imprensa dois factos. A passagem da "Índico", a revista de bordo da LAM, para a direcção de Nelson Saúte. Tendo-se tornado uma excelente revista cultural moçambicana, algo tão necessário e ansiado. E o facto do "País" publicar uma edição de sábado dedicado (quase)exclusivamente à cultura. Com valor flutuante mas muito significante que o jornal tenha feito esta opção.

 

Personagem do ano? Jorge Dias. Nos últimos anos tem sido o Curador do Museu Nacional de Arte onde constituiu com a sua directora, a excelente Julieta Massingue (pessoa única no exercício institucional), uma belíssima dupla, de sucesso, agitando e fazendo do Museu o sítio menos convencional da actual e convencional cena artística moçambicana. Entenda-se, ao contrário do que é quasi-universal, nestes últimos anos foi a grande instituição que serviu para agitar consciências e práticas artísticas no país. Este ano acolhendo (e produzindo) a Bienal do Muvart (Movimento de Arte Contemporânea em Moçambique), um passo em frente depois do relativo fracasso de há dois anos atrás, e mostrando que há caminhos percorridos (e não só "a percorrer") - ainda que a Bienal tenha sido uma realização passível de críticas, isso só significa a sua relevância. Para além da sua actividade de crítico artístico (do qual este jpt amador tantas vezes discorda) Jorge Dias apresentou ainda Transparências - muito valorizada por um excelente filme de Filipe Branquinho -, uma curiosa articulação entre a instalação programática (o corpo central) e falsa retrospectiva (antigas obras completamente reformuladas), que foi momento alto do ano na cena das artes plásticas. Agora termina o seu trabalho no Museu e segue como director da Escola de Artes Visuais (integrando a grande remodelação dos quadros estatais ligados à cultura). Se isso levanta algumas interrogações sobre que enfoque assumirá o Museu Nacional de Arte por outro deixa antever excitantes passos no ensino das artes aqui.  A ver vamos.

 

Acontecimento do ano? A construção civil em Maputo. Que virá a marcar a paisagem urbana da cidade e a auto-percepção da capital. A minha alma, se existisse, estaria em sangue.

 

jpt

publicado às 15:50

(N)A "Pátria Amada"

por jpt, em 04.01.10
Lisboa

 

1. Inverno. Um calor de estalagmites.

 

Dizer

[Fotografia de inscrição ao Teatro Politeama, Lisboa, Dezembro 2009]

 

2. Crise. Qualquer emigrado português sabe que ir à "terra" é para ouvir os constantes lamentos dos amigos, da família, dos populares, com a “crise”, e etc. e tal. Mais agora, com a desgraça internacional a repercutir-se nos dois milhões de portugueses abaixo do limiar da pobreza, mais de dez por cento de desempregados, o país sem luz ao fundo do tunel, sem projecto.  E depois ... basta ver o potlatch radical dos últimos dias antes do tal solstício dito Natal! Basta perguntar no talho, no café (o bolo-rei), na livraria, na loja de brinquedos, nos restaurantes e afins, etc e tal vinícolas e isso, o obrigatório “então, e este ano como vai?”. Crise? Já lá vai, que “estamos melhor que o ano passado”. Crise? Como crise se a felicidade está ali mesmo, nos balcões dos chópings? E tudo segue, no dia 26 abrem os saldos e as multidões reiniciam o seu caminho de cigarras. O vazio (versão portuguesa do conradiano "horror").

 

 

avc

 

3. A gula. Crise? E é um "trocadilho" fácil, o com esta campanha de época, o tome atenção aos AVCs que encheu os painéis das cidades. Crise? Só se for a da gula, essa motriz dos AVCs. No fundo o símbolo da Europa Ocidental, obesa, no seu estertor. As causas? Exactamente a tal falta de visão, de preocupação. De razão. Tudo isso do a cada um o seu sapatinho, e nada mais ... Aliás, a cada um o seu sapatão.

 

 

paulo duarte

 

4. Paulo Duarte, afirma-se de origens humildes, foi um futebolista modesto e não enriqueceu, é agora o seleccionador do Burkina-Faso. Deu uma entrevista ao jornal Record. Interessantíssima, muito para além do patois futeboleiro habitual. De como olha o país africano para onde, surpreendentemente, foi trabalhar há já dois anos. E de como reconhece que para preconceitos era ele que os carregava ao início. Mas mais do que isso, também ele de longe a re-olhar os seus patrícios: "Se as queixas, por isto ou por aquilo, fossem modalidade olímpica, os portugueses estariam cobertos de ouro. Somos muito assim. Completamente. As dificuldades da vida são muitas, para toda a gente, mas há coisas que não podemos esquecer: a maior parte dos portugueses que vive mal tem uma casa, duas televisões, um vídeo, dois telemóveis, dois carros, um emprego, mal remunerado mas temos, tem água, tem luz, tem gás, tem comida na mesa, tem roupas adequadas ao clima. Com maior ou menor dificuldade, chegue o dinheiro ou não ao fim do mês, tem isso tudo". Sei que é muito fácil apupar este tipo de visão. Mas seria conveniente que os habitantes de um país que não produz o que tanto consome pensassem um pouco no facto de que a sua ladaínha lamurienta não encanta (enfeitiça) os que de longe os assistem. Fica o meu desejo das maiores felicidades a Paulo Duarte, homem a pensar. Força Burkina-Faso!

 

pai natal

 

5. Quadra natalícia: Eu também! Pois se o mito sublinha o amor transposto para o espírito de dádiva neste emigrante o real é a volúpia da posse, sacos de auto-prendas esquecendo-me dos "entes queridos", esvaziando-me o porta-moedas extinto que foi, e já em tempos, o cartão de crédito, malfeitoria ocidental. Malditas livrarias ....

 

stuyvesant logo

 

6. Saúde. Viver em flat e enfrentar tantas proibições tabagísticas em locais públicos: assim a fumar bem menos.

 

Corcunda de notre dame

 

7. Oferta infantil. Uma enorme oferta de espectáculos e actividades infantis. Gloriosa. Diz quem sabe que este Corcunda de Notre Dame foi do melhor que já viu, e já viu várias coisas.

 

asterix

 

8. Cultura. Na revista "Os Meus Livros" (nº 82, ano 7, 12.2009) a coluna "Caldeirada de Letras" (p. 52) contém um acertado texto da autoria de Luís Graça: "Astérix Ortografix". A propósito da edição do "O Aniversário de Astérix e Obélix, o Livro de Ouro" (fraquinho, já agora) uma crítica as  novas traduções dos nomes das personagens, um incompetente ataque à tradição asterixiana. (Algo que em tempos já aqui referi).

 

Artis

 

9. Surpresa. Encontro o Bartis (ok, o Bar Artis) reaberto. Um ícone do Bairro Alto, ali à Diário de Notícias, agora com nova gerência (propriedade dos donos do velho restaurante "Sinal Vermelho"), a vender apenas produtos portugueses (quer um whisky, um gin, um vodka? Beba aguardentes vinícolas - aprecio o acto). Mas mais do que isso - e ainda que lamentando isso do balcão estar agora ao fundo da sala - de louvar a reabertura de um local biográfico. Mesmo que já sem o seu velho proprietário, o célebre Mário, e - aí sim, lamentavelmente - desprovido da lendária Paula, rutilante alma. Mas está lá o Bartis ....

 

onesimo marx e darwin

 

10. Inteligência: a primeira auto-prenda, logo no dia da chegada, este "De Marx a Darwin. A Desconfiança das Ideologias" (Gradiva, 2009), um para mim desconhecido livro de Onésimo Teotónio Almeida. O autor é um homem inteligente, o livro idem. Uma delícia, sobre paradigmas cientificos, suas características e limites, e ainda da hipotética relação da ciência com a religião, da ética com a lei. Para mais muitíssimo acessível (efeitos da tal inteligência). Deixo uma citação. Que é letal para alguns meio lusos, e não é preciso recuar ao guterrismo: "Nem tudo na ética está codificado na lei, a lei civil é apenas a imposição da obrigatoriedade de uma ética mínima para o funcionamento das sociedades. Mas se a ética transcende a lei, e por vezes choca com ela, ambas têm os mesmos alicerces. Os debates legais resultam de confrontos entre valores éticos, de combates morais, e nem todos conseguem reunir consensos que se traduzem no estabelecimento de normas legais (ou, pura e simplesmente, de leis sancionadas pelos tribunais e pelas forças do Estado que velam pelo seu cumprimento), contudo muitos valores morais não precisam de ser codificados em lei. Há normas éticas aceites pela maioria que nunca foram consignadas em nenhuma legislação. Os ventos da história e o rumo de cada cultura acaba conseguindo para esta ou aquela norma ética um estatuto legal. Mas nunca a lei cobre todo o domínio da ética, até porque nela, a ética, há um mínimo que suporta legislação (o domínio do dever), porém existe um outro bem mais vasto, o da virtude - a arethé grega - que não poderá nunca ser legislado." (125)

 

sporting logo

 

11. Drama. Rui Santos sobre o Sporting. O jornalista em causa capta pouca adesão - como o prova o baixo número de subscritores das suas incessantes petições informáticas, abundamentemente publicitadas em inúmeras horas televisivas (basta compará-las com as petições lançadas in-blog para comprovar essa sua fragilidade). No entanto a sua denúncia sobre a destruição do Sporting Clube de Portugal por parte do núcleo socioeconómico, em tempos albergado sob o epíteto "Projecto Roquette", é inultrapassável. E de registar pois estabelecida em jornal de grande divulgação. E, por extrapolação, diz muito sobre o Portugal de hoje, esse da cega aceitação de auto-anunciadas elites sublinhada pela "falta de alternativas".

 

fnac

 

12. Capitalismo. A edição portuguesa está pelas "ruas da amargura". Sob a tutela dos interesses comerciais, de grupos editoriais desligados da cultura (e, porque multinacionais, do contexto nacional). E esmagada pela pressão oligopolista dos grandes potentados livreiros, também eles apenas virados ao lucro. Assim se apaga a hipótese da edição ensaística e apenas subsiste a chamada "literatura leve", a capa brilhante, o conteúdo inexistente, a forma "plana" - em particular expressa nos registos da "exo-ajuda" e do chamado "romance histórico".

 

Prova dessa superficialização produzida nas grandes superfícies encontro-a na FNAC do Chiado, chego à secção dos livros e deparo-me com o primeiro escaparate - aquele que me recebe e me despedirá, dentro de algum tempo, portanto o que mais apelará à aquisição. Uma das faces para a literatura nacional (prosa) considerada relevante (os peixotos, cachapas, saramagos, lobos antunes, tordos e torgas e isso). A outra face de prosa estrangeira, e não resisti a transcrevê-la, para aqui comprovar o "estado da arte" a que se chegou, do esmagamento cultural por via do comércio (do capitalismo, por assim dizer). São 18 colunas, cada qual com quatro livros, novas edições (traduções) ou recentes reedições. Por mim recenseadas, como denúncia. Apresento apenas os autores, para economia de ma-schamba. Eis então o painel do escaparate melhor situado:

 

1. Bernhard; Bernhard; Mishima; Mishima. 2. Beckett; Walser; Walser; Mme Lafayette. 3. Hesse; Hesse; Jane Austen; Jane Austen. 4. Hemingway, Dumas, Diderot, Dickens. 5. Iris Murdoch, Iris Murdoch, Rilke, Colette. 6. Susan Sontag, V. Wolff, V. Wolff, Lampedusa. 7. Thoreau, Flannery O'Connor, Orwell, Orwell. 8. Maugham, Mann, Beckett, Mailer. 9. Daphne du Maurier, Céline, Saint-Exupery, Walty. 10. Flaubert, Yourcenar, Yourcenar, Hsek (?). 11. Kafka (X4). 12. Aitmatov, Kafka (X3). 13. Jack London, Boris Vian, Victor Hugo, Lautréamont. 14. Proust, Proust, Calvino, Calvino. 15. Calvino (X4). 16. Calvino, Pasternak ,Turgueneev, Gogol. 17. Tolstoi, Zweig, Svevo, Bulgakov. 18. Dostoievski, Dostoievski, Lidmila Ulitsvaia (?, será assim?, não conheço), E. Waugh.

 

Lastimável. Esta prática comercial, esta subjugação editorial. O primado da mediocridade. Efeitos, necessários entenda-se, do capitalismo. Vil.

 

Charme Discreto da Burguesia 2

 

13. O Charme Discreto da Burguesia. Olivais-Sul, Lisboa, Dezembro de 2009.

 

Ler Dezembro 2009

 

14. Império. A Ler (nº 86, Dezembro de 2009), coluna "Booktailoring", de Paulo Ferreira e Nuno Seabra Lopes. Procurando um registo cómico em futebolês (o dia em que os humoristas escreverem em raguebês ou golfês será bem arejado...) o texto "Um jogo entre linhas" que aponta os "jogadores mais influentes do mercado editorial português em 2009". Não vou discutir os critérios. Apenas o eco da minha reacção: "tenho que ter cuidado, pareço da patrulha ideológica", resmungo-me. Pois na "selecção nacional" deles lá estão o Agualusa e o Mia Couto. Sim, eu sei que na selecção de futebol estão o Liedson, o Pepe e o Deco. Mas nesta, na literária, não há brasileiros. É, na cabeça dos humoristas, uma selecção portuguesa de Portugal, mas afinal uma transpiração da pobre lusofonia. Ou seja, e isto muito para além dos escritores em causa, da cabeça dos humoristas ninguém retira(ou) o Império. Nem na Ler... Absurdo. Mas um absurdo sintomático.

 

jornal i

 

15. O jornal I é o melhor jornal nas bancas. Já no Verão passado me parecera tal. Agora confirmam-me tal alguns amigos. Alguns até acompanham a opinião com um "é de direita mas ...". Mas digo eu, que o vejo sem publicidade e oferecido nas bombas da Galp. Mau sinal? A ver se se aguenta ...

 

Jose Cutileiro Bilhetes de Colares

 

 

16. Delícia. Inúmeras bancas de livros em saldo (aliás, monos), um "apelo às dádivas". Nelas sempre se encontram exemplares desta bela colecção "Horas Extraordinárias" que o Independente foi publicando há alguns anos. Cada vez que em Lisboa lá carrego alguns. Agora é a vez (a 2,5 euros, imagine-se) de adquirir este saborosíssimo "Bilhetes de Colares de A.B. Kotter (1993-1998)", "porventura" de José Cutileiro. Obrigatório regressar a esta Quinta da Beldroega, sita na Várzea de Colares, seus habitantes e visitantes, ponto máximo de observação deste país. Pelo olhar-mestre do Senhor Doutor Kotter, traduzido pelo ex-comando J. Fonseca, fiel à máxima de que "Como a leitora sabe, eu nunca me imiscuo na política deste maravilhoso país que tão generosamente me acolhe no seu seio. Não cabe a um estrangeiro fazê-lo; menos ainda a um estrangeiro sem razões de queixa." (66). Ainda que com ele se possa discordar, por vezes, como aqui: "Já tentei explicar-lhe que o snobismo não é tão mau como parece porque, vistas bem as coisas, sempre é o contrário da inveja...". Discordância que, se seguida, levaria por caminhos muito diversos. Mas mais do que a justificar a corrida aos monos...

 

fontes pereira de melo

 

17. Política. Nenhum dos meus amigos - desses que cada vez menos encontro -, nenhum dos meus familiares, nenhum dos teclistas lidos in illo tempore, enfim nenhum desses que tanto vituperaram (vituperámos) o "fontismo" cansado, travestido de "desenvolvimento", do primeiro-ministro Cavaco Silva tem agora uma palavra irritada contra o proto-fontismo de José Socrates. Mas para quê falar, se é para falar encastrado?

 

Amalia

 

18. Jonhy Lyndon (ex-Rotten). Amália. Coração Independente (no CCB). Não sou um amaliano, ainda que nela possa actualizar (reconheço, até acabrunhado) a expressão "de ir às lágrimas". Pois ainda que não o seja (amaliano) saí preenchido da exposição. Para logo quem ali a meu lado me iluminar, como sempre na vida, num até desdenhoso "não aprendi nada". E é isso, saio do amalianismo (no meu caso amador) e constato, a exposição não é um diálogo com Amália, é uma missa (certo, a haver divindade que seja ela), apenas uma missa. Ela adoraria. Mas está morta, não haverá outra forma de ser olhada?

 

Depois o tal diálogo com a mulher, a personagem, a artista, o mito  -  que se pretenderia? -  é atirado para um "posfácio", de arte contemporânea. Nesse pacote, mas que assim surge externo, in-dialogante, um bailado (Ana Rito) muito interessante, a peça de Joana Vasconcelos também. E uma instalação visual óptima de Bruno de Almeida. Mas mesclado com coisas-obras a parecerem  modismo para "espantar a classe média baixa". Francamente, não há paciência para quem atira um xaile para o chão e diz "arte!". Olhar um cilindro branco com espelho atrás, "um artista (Amália) solitário no palco". Em 2009? Ali tanta ruptura, tanta inovação como o busto realista atrás apresentado (Joaquim Valente), coisa de meados de XX, que foi muito ao gosto da representada. Honestamente uma desilusão. Pelo auto-centramento da exposição, que se pretende encantória. E pela tralha avulsa que se lhe colou à maneira de olhar actual - com as excepções referidas. Sempre me convenço que o epíteto "contemporâneo" faz eclipsar o espírito crítico, analítico. Cilindros brancos, mesas luz com banheiras coloridas, peças atiradas no chão. Hoje?

 

Coisas que sempre me fazem lembrar aquela entrevista do Jonhy Lyndon (ainda Rotten?) ao Philippe Manoeuvre, publicada na Rock & Folk cerca de 1982. Dizia o Rotten: "ser punk em 1980 é igual a ser hippie em 1976"... Xailes no chão?!

 

sahara ocidental

 

19. Sahara Ocidental. Uma militante esteve em greve de fome defendendo a causa do Sahara Ocidental, protestando contra a ocupação marroquina. A representação diplomática de Rabat em Lisboa concedeu uma entrevista ao jornal "i", anunciando que Marrocos é "o polícia da Europa". O silêncio europeu face à ocupação colonial do Sahara Ocidental passa por esta "política real". Confesso que nada sei sobre a situação efectiva na região (no país, por outras palavras), acredito até que o terrível fundamentalismo "alqaediano" seja um papão agitado por Marrocos para colher o apoio à sua velha expansão - como os leitores saberão ninguém falava de Al Qaeda e muito poucos falavam de "fundamentalismo"/"integrismo" islâmico quando Marrocos  procedeu à ilegal anexação daquele território. Ou o seu inverso.

 

Mas enfim, são contas do difícil e imbrincado rosário da história. A mim interessa-me a reacção em Portugal. Nos jornais e na TV, nas conversas, ninguém ecoa a posição do Estado - o qual desde o governo Socrates assumiu a posição mais próxima da política colonial marroquino. É óbvio que o "distante" assunto a ninguém interessará, Marrocos está nos confins, parece-me até antípoda. À esquerda ninguém diz nada, nem mesmo o BE, onde Marrocos será quanto muito o locus de umas ganzas a legalizar, que isso dos princípios é uma canseira. O PCP silencia, mas é óbvio: para um partido sempre ao lado dos poderes coloniais e dos regimes monárquicos não se deveria esperar uma interrogação sobre a política diplomática portuguesa nesta questão. Ninguém questiona a questão. O fait-divers da senhora à fome acabou, entretanto o escritor José Saramago foi lá apoiar (à revelia do seu partido, à revelia de António Costa, o socialista de quem é apoiante) porque é uma "causa justa" e pronto. Aliás, prontos ...

 

 

20. Excelência. No canal Mezzo (que pena não haver em Maputo) um fantástico programa sobre Rafael Campallo, bailarino que desconhecia. Grande, grande ...

 

 

Liceu Camões

 

21. O Antigo Regime. O álbum, merecido, celebrando o centenário da Escola Secundária de Camões (ex-Liceu Camões). Ainda que me arrepie sempre que ouço loas ao dito liceu (apesar dele próprio). Que é sempre agitado como se ícone dos "bons tempos" em que havia cultura, e educação que a sustentasse e reproduzisse, em Portugal. Ou seja, antes do povo estudar e, até, gerar professores. Tudo isso em discursos de "progressistas", até gente oposicionista germinada no velho Liceu - mas que verdade, verdadinha, suspira por trechos do dr. Salazar, em particular aquele de que ao povo basta ensinar a contar e a assinar. Quebrado isso ficámos como estamos. Que "eles" até a "doutores" vão.

 

k-el-quijote-de-la-farola-web1

 

22. A desistência. Visito, acompanhando uma ínclita comitiva, a exposição do fotógrafo Korda. Celebrizado pela iconográfica fotografia de Ernesto Guevara, de sua autoria. Muito interessante, pelo que demonstra da produção do culto de personalidade do ditador comunista Fidel Castro, do qual Korda foi acompanhante durante a década de 1960s. Fantástica a sua entrevista, a forma como glorifica o próprio Ernesto Guevara, um absoluto contrasenso (assista-se às suas declarações, elogiando a "punição" que Guevara lhe fez).

 

Korda6Korda5 Mão de Fidel

 

Fidel Castro como ícone, até bíblico. A mão na terra produtiva, a pegada de Fidel, o seu "gigantismo". A sua beleza sensual. Fascinante, como interpretável. Como produto e produtor de fascínio.

 

Korda1 - mulheres

 

Certo que se Korda fosse eslavo ou han teria tido problemas, acusações de "cosmopolitismo" (como aventou um amigo meu) não lhe faltariam. Basta ver esta fotografia, onde duas presumíveis beldades, até lânguidas, escutam no escuro as palavras solarengas do comandante, deixando imaginar outras prédicas, mais íntimas. Coisas deste discurso construtor do "fidelismo", de Fidel Castro, muito dadas ao tom local, mas também à específica característica de Korda.

 

Mas para além dos seus méritos estéticos e jornalísticos surpreende que esta exposição, demonstrativa da arte glorificadora de Korda, que surge sob tutela da também estatal Casa da América Latina num espaço também estatal (Cordoaria Nacional), seja apresentada sem qualquer contextualização distanciada, sem referência enquadradora. Nada nos textos que a acompanham, talvez (mas desconfio que não) no catálogo - que muito presumivelmente será apenas encomiástico. Espantosa desistência. Dias passados comento esta minha estranheza numa mesa polvilhada de académicos, a nenhum pareceu estranha tamanha distracção "fidelista", obviamente significante. Nem mesmo quando lhes disse ser Korda um pouco a Leni Riefenstahl do regime cubano, ou que diante de qualquer produtor de mitos e ícones se presume criar distância cognitiva, não apenas fascínio e adesão - coisas que tão bem "sabem" para outros casos. Um simpaticíssimo alto quadro do ministério da Cultura, ali entre variados acepipes, rematou que "a exposição é daquelas que se recebem". E pronto! Desistência, pura e simples. E a gente assiste.

 

gravata

 

23. A gravata. Penso que foi no jornal "Sol", uma pequena nota irónica sobre Francisco Louçã. Que o coordenador do BE aportara no parlamento usando gravata, ao contrário do seu significante traje político, esse que reclama dessassombro (e, claro, posição de classe). Para logo nos "sossegar", afinal era apenas o dia em que o deputado cumpria provas públicas académicas e nesse campo fazia questão de cumprir as normas de vestuário. Passa tudo num sorriso, as pessoas dirão que é do espectro das decisões pessoais, etc. Mas este pequeno episódio, o respeito pela gravatinha no seio da corporação profissional ao invés da liberdade encenada no traje política, este pequeno episódio mostra bem a hipocrisia do senhor professor. O corporativismo fala mais alto, em maquilhagem de pequena-burguesia.

 

Escaparate

 

24. O escritor de escaparate. Já no pós-Natal mas ainda a caminho de mais uma comensalidade pantagruélica. No rádio do carro, enquanto subimos ali em Monsanto, capta-se uma conversa com escritor - desses que está em todos os escaparates natalícios, diga-se. Diz ele, face a pergunta da radiofónica voz: "a literatura é o que tem que ser!". Abismado com tanta profundidade aumento um pouco o volume, para ouvir no que aquilo irá dar, e logo ouço mais uma pergunta "V. disse no seu blog que a literatura portuguesa não é apoiada pelas livrarias. Que vontade de escrever isso lhe dá?", ao que responde o escritor, voz arrastada, sofrida, "Nenhuma". A meu lado, enfastiada, a senhora pergunta-me "queres ouvir isto?" e eu, mais assim como eu, logo riposto: "tira essa merda!".

 

Rolling-Stones-Let-It-Bleed

 

25. Envelhecimento. Ligo o carro e na rádio reconheço os acordes da "Fanfarra para um homem comum" e logo surge a  "You can't always get what you want" dos Stones. Elevo, e bem, o som e segue a canção-ícone, rock-barro da minha gente. Acto contínuo a bela rapariga a meu lado põe-me na boca .... uma castanha assada.

 

coppola tetro

 

26. Tetro, de Coppola, é um soberbo, lindíssimo, filme sobre Buenos Aires. Fantástico. A história é um pastel, a deriva patagónica um must de pirosice. Convém ver. Mas sem som nem legendas.

 

jose policarpo

 

27. Cardinalice. O Cardeal de Lisboa invectiva a "indiferença, agnosticismo e ateísmo" na sua homilia natalícia. Interrogo-me onde vai ele buscar essa ideia da igualdade entre "indiferença" e "ateísmo". Que "indiferença"? A prática, a ética, a solidária, a reflexiva? Um argumento vácuo, inaceitável, e que não cola com a imagem de profundidade intelectual que Policarpo sempre apresentou. Sem rodeios, é uma parvoíce ao nível daqueles que reduzem a igreja católica a fogueiras da inquisição e a erecções pedófilas. José Policarpo tem o direito (em determinada acepção terá até o dever) de combater o ateísmo e o agnosticismo. Mas tem toda a obrigação de matizar as suas argumentações e invectivas. E exactamente quando a sociedade presta homenagem a Manuel Clemente, bispo do Porto, enquanto homem de cultura elogiando-lhe a fina análise. Um deslize cardinalício, ao invés do momento vivido. A colher, claro, o silêncio do comum ...

 

Homem em Furia

 

28. Homem em Fúria, de Tony Scott, competente filme de TV. Seria uma excelente peça de cinema de samurai, acho, não fosse o seguidismo ao paradigma psicologista, assim desvanecendo a profundidade abissal do protagonista. Um diálogo excelente: "Velho: Na igreja dizem que devemos perdoar; Creasy (Denzel Washington): Perdoar-lhes é com Deus. O meu trabalho é proporcionar-lhes o encontro."

 

record

 

29. Acordo Ortográfico.Record é o jornal que logo aderiu ao Acordo Ortográfico. Se dúvida houvesse sobre o substrato intelectual desta parvoíce provinciana a entusiasmada adesão de tão pobre jornal cessa qualquer hipótese de dúvida. Eduardo Pitta acha que os detractores do Acordo Ortográfico são "encenadores" que dão pontapés na gramática, e com ele concorda Filipe Nunes Vicente, outro grande-bloguista. Recordo que as maiores polémicas neste ma-schamba vieram desses meus actos pontapeadores e, envergonhado, lamento-os bem como à falência das minhas tentativas teatrais. Vou ali ler o Record - pode ser que por lá me expliquem que esta deriva homográfica lusófona nada tem a ver com um fundo tonto de apelo à gesta da "presença" e "expansão" da língua portuguesa, que nada tem a ver com a inexistência de verdadeira reflexão económica sobre os seus futuros resultados para a edição internacional em português (mas apenas em "desejos pensantes"), que nada tem a ver com a tonta e iletrada ideia feita da distinção radical entre a fala e a escrita (a "escrita é uma convenção" dizem os imbecis, convictos que a fala, em última análise, não o é; a "grafia não influencia a fala", dizem "professores" sem perceberem que assim invalidam a sua tarefa).

 

Bem, pelo menos parece o Miguel Veloso marcou um golo e diz-se que vai para a Fiorentina ou Barcelona, e o jornal deve falar disso ...

 

cafe bica

 

30. Decadência Nacional. Cada vez mais difícil, talvez até mesmo impossível, encontrar uma "bica" (aliás, "café", "expresso", "italiana") decente. Os estabelecimentos  comerciais especializaram-se em servir zurrapas. Café Chinês?

 

PResepio

 

31. Família. Em dois dias seguidos dois artigos interessantes, os de Miguel Pacheco, "Não São Sermões Sobre a Vida Íntima e Martim Avillez de Figueiredo, sobre a questão da "família". Em ambos choco com este meu preconceito, o de que o discurso jornalístico aparece mais superficial do que o académico ou de reclamação intelectual. É aqui o inverso, total. Pois em ambos é explícita a ideia, ao contrário dos discursos dominantes, da necessidade e da virtude da família. Ultrapassando as velhas querelas hiper-liberais e hiper-marxistas, da família como local agente de repressão e reprodutor da exploração, do maléfico Pai-Padrasto Castrador e da malvada Mãe-Madrasta Castrada Castradora, do discurso da libertação do sacrossanto indivíduo face às algemas comunitário-familiares, da ultrapassagem da repressão por via do sacrossanto Estado-sociedade, local de protecção, produção e reprodução. Afinal instituição virtuosa, falível claro, de produção e interacção de valores sociais.

 

Há quem chame a isto conservadorismo. Lembra-me o Jonhy Rotten (já Lyndon?): "ser punk em 1980 ..." (onde é que eu já li isto? ...).

 

enchidos

 

32. Frases feitas? Um repasto, entre antropólogos e excelsas iguarias, no caminho entre enchidos fidedignos, sopa de rabo-de-boi, conduto incomensurável, doçaria relevante, reservas variadas e vintages culminantes. Algo a que, ali, estou há décadas habituado. Com emigrantes à mesa a conversa passa ao "estado do país", claro. Donde ao casamento homossexual, que o resto foi resumido, como sempre, num "isto está mau" - mas que ninguém interprete este condicionamento do discurso popular como uma estratégia do governo, que é de esquerda, donde bom. Pessoa que há décadas muito me é querida e também minha mestra nas coisas antropológicas, talvez até causa quase-única desta minha formação, remata-me "O casamento é um contrato entre dois indivíduos". Vacilo, e partirei destruído para casa. Pois se vindo de quem vem aquele libelo individualista ... tudo aquilo que estudei, da reprodução estratégica de laços de filiação e de descendência, de articulação entre grupos sociais, de transferência de património (em sentido lato), de composição e recomposição familiar, tudo isso para onde foi, o que era? Nada, afinal a nossa sociedade é apenas um campo onde interagem indivíduos, livres, racional e radicalmente autónomos que contratualizam. Virtuosamente.

Vindo de quem vem? Já no carro, ao volante, entre a azia silenciosa e a flatulência reprimida, constato-me duas décadas de vida profissional enganada. Novo ano que aí vem - e até já veio - exige-me pois vida nova, profissão nova. Pois se a outra, a da até agora, inexiste afinal. Não dormirei, e desde então a insónia constante. Para onde ir? Que fazer? Ou antes, com que indivíduos contratualizar?

 

PortoVintage

 

33. Ideias Feitas?. "À mesa, entre antropólogos e excelsas iguarias, no caminho entre enchidos fidedignos, sopa de rabo-de-boi, conduto incomensurável, doçaria relevante, reservas variadas e vintages culminantes. Algo a que, ali, estou há décadas habituado. Com emigrantes à mesa a conversa passa ao "estado do país", claro. Donde ao casamento homossexual - que o resto foi resumido, como sempre, num "isto está mau" - mas que ninguém interprete este condicionamento do discurso popular como uma estratégia do governo, que é de esquerda, donde bom. Pessoa [outra] que há décadas muito me é querida, e também minha mestra nas coisas antropológicas, talvez até causa quase-única desta minha formação" [in blog ma-schamba, post "(N)A "Pátria Amada" (ponto 32)], explica-me, simpática e até solidária com as minhas falhas de formação (e tantas ela colmatou nos bons velhos tempos), a diferença entre o matrimónio religioso, de vínculo indissolúvel, e o casamento civil, coisa moderna e passível de ser dissolvido. Por opção própria, por economia de discurso, não lhe dá nenhum enquadramento de história institucional, mas não posso aprender tudo no mesmo dia. Estava eu, portanto, a ouvir pela enésima vez esta profunda argumentação - e ainda não tínhamos chegado à questão das sufragistas, mas haveríamos de lá aportar - quando um conviva comensal rematou, glorioso: "vínculo indissolúvel?! Ah, mas isso é o que defendem os sindicalistas!! Afinal são iguais, a Igreja e os Sindicatos".

 

Um vintage, este meu amigo, há décadas que vai vintage! Pena é que não meu mestre ...

 

bachhaydn

 

34. O cadáver da Antropologia. Ao sábado ouvir Bach na Gulbenkian, ao domingo Haydn no CCB. Para além do encantamento da música - um registo em que me perco completamente, por falta de capacidade interpretativa, uma delícia - deixo-me, como sempre, a "olhar" público e músicos. Olhar esta disciplina, que faz milhares de músicos aprenderem a reproduzir e interpretar partituras de tons e sons velhas de séculos, atentos às suas diversas matizes, e ainda, até, criando-lhes novas formas. Disciplina que passam a milhares e até milhões de ouvintes, que vão sendo treinados a escutar (alguns até a entender). Disciplina essa a qual poderá ser chamada "civilização", forma vasta de controle, molde gigantesco de sentir e ser. É um fim-de-semana bom para isso, isto de partilhar espaço civilizacional com patrícios relativamente diversos - nas formas do saberem os seus corpos, de controlarem tosses, espirros, flatulências, agitações, sentimentos, amores, aplausos. Mais "burgueses" à Praça de Espanha, mais "populares" (menos "cívicos", menos "civilizados") em Belém, que tudo isto é um processo longo de aprender.

 

Mas de repente, ali a meio da Criação, de Haydn, entre tosses múltiplas e aplausos fora-de-tempo no seio dos ainda algo in-disciplinados, lembro-me da minha queridíssima amiga e mestra. Que é isso? Questionar-me sim, mas apenas sobre as contratualizações que ali nos uniam. Nada mais há a questionar, a inquirir. Paguei bilhete, é o meu contrato. Outros pagaram ainda impostos, é outro contrato. Todos comprámos produtos dos patrocinadores, mais contratos jurídicos. E basta, deixo-me a ouvir a música, incompreendendo. Feliz.

 

Jornal de Letras 1

 

35. A cremação da dita e ainda das suas primas. Jornal de Letras, já institucional presença. Tem defeitos, mas é melhor que exista. Muito estatal, no ponto de vista, nas formas de associação e financiamento. Também por isso local dos sinais dos tempos. Na última edição (nº 1024) vários artigos sobre a década agora terminada, "dez anos de letras, artes e ideias". Extensas indexações de poesia e prosa literária, artes plásticas, música erudita e pop, cinema, dança e teatro. Ambiente, ensaio e ideias (sobre estas dois textos) também. Não discuto os critérios, gente sábia a escrever. Mas surge-me questão. No mundo das "ideias" ainda há referência para uma ciência social, a História. Até par as sua versão história intelectual (já agora, saúdo as referências a obras que me são bem queridas, "História do Pensamento Filosófico Português", coordenada por Pedro Calafate, "Portugal Extemporâneo" de Carlos Leone). Depois ... Eduardo Lourenço, mais alguns ensaios, o "Portugal Medo de Existir" ("os portugueses são ...").

 

Entenda-se, dois artigos sobre "ideias", um sobre "ensaios". Nem uma referência a trabalhos portugueses de Antropologia, de Sociologia, de Psicologia, de Geografia, de Linguística, de ... olhando bem nem de Economia, nem tampouco de outra área de investigação. Ideias durante a década? Ideias sobre Portugal e sobre o mundo? Nada a referir. [Vou escrevendo e pensando que sobre Ciências Exactas/Naturais idem, idem. Mas haverá ideias aí?, dirão os especialistas do JL].

 

É o Jornal de Letras! Sinais dos tempos? Claro, como comprovei nesta minha deslocação.

 

inhamabane

 

36. Inhambane. Para lá sigo. Intentando, entre sol e calma, encontrar um novo rumo. Entenda-se, novos contratos. Apenas jurídicos, claro.

 

jpt

publicado às 17:37

Fotografias de vida

por jpt, em 01.12.09

Sergio Niassa

[Sérgio Santimano, Macalange, Niassa oriental, 2001]

Todos teremos imagens de vida. E nessas, talvez, fotografias de vida. Esta é uma das fotografias da minha vida. Ao revê-la exposta, agora na Bienal TDM 2009, logo a paixão disse "presente". É paixão, não tem qualquer argumentação que a ancore. "Bigger than life" dizia-se do cinema quando ele o era, "Deeper than life" direi eu desta "(Mulher de) Macalange" encontrada no seu quotidiano percurso ao celeiro pelo Sérgio Santimano.

A fotografia moçambicana produziu alguns símbolos - e nesse sentido produziu a nação, construíu a identidade por via simbólica. Para cada era haverá um ou outro ícone particular: "os lavabos" e o "ferro em brasa" de Ricardo Rangel, o "banho dos soldados" de Kok Nam (que abaixo deixo), são fotos que considero particularmente relevantes. E se Rangel foi um grande reporter-narrador de Moçambique já a Kok Nam vejo-o, fundamentalmente, como um pintor de ícones - algo que obrigará à recolha da sua obra em livro, o que tarda -, bem adequado à época do seu apogeu fotógrafo, a do voluntarismo pós-independência.

Kok Banho[Kok Nam, "Sem título, Rio Révue, Manica, 1981". Reproduzida em Bruno Z'Graggen, Grant Lee Neunburg (orgs.) Iluminando Vidas. Ricardo Rangel e a Fotografia Moçambicana, Christoph Merian Verlag, 2002]

Ricardo Ferro em Brasa[Ricardo Rangel, (rapaz marcado com ferro). Reproduzida em Ricardo Rangel Fotógrafo, Éditions de l'Oeil, 2004]

Ricardo Lavabos[Ricardo Rangel, "Casas de Banho. Onde só o negro podia ser criado e só o branco era um homem, Lourenço Marques, 1957". Reproduzida em Bruno Z'Graggen, Grant Lee Neunburg (orgs.) Iluminando Vidas. Ricardo Rangel e a Fotografia Moçambicana, Christoph Merian Verlag, 2002]

Mas para mim, indivíduo aqui imigrado, há 3 fotografias moçambicanas que me são cruciais, que me construíram a auto-imagem, meio auto-reconhecimento, meio auto-embelezamento: uma "Aldeia Comunal" de Kok Nam (que vi na sua exposição individual da Photofesta, e que nunca consegui recuperar), a crucial "Apetecido Quintal de Caniço" (reproduzida abaixo) de Rangel, e esta "Macalange". Um trio que faz o "meu" Moçambique. Ou melhor, me faz em Moçambique.

Ricardo Apetecido Quintal de Caniço[Ricardo Rangel, "Apetecido Quintal de Caniço". Reproduzida em Ricardo Rangel, Pão Nosso de Cada Noite, Marimbique, 2004]

A (Mulher de)"Macalange" de Sérgio Santimano pertence a uma exposição individual dedicada à província do Niassa, que tem sido apresentada de forma itinerante. E está reproduzida - é apenas assim que a possuo - no livro "Terra Incógnita", publicado na Suécia em 2006, contendo fotografias de Sérgio Santimano e textos de Albino Magaia, Luís Carlos Patraquim, Bosse Hammarstrom, Henning Mankell

 Sergio Niassa Capa

É fruto de um longo trabalho de pesquisa, repetidas viagens à província. Um projecto possibilitado pelo apoio da "cooperação" sueca, penso que inscrito num esforço de testemunhar o papel desenvolvimentista que esta teve (e penso ainda ter) na província - o que marcará o livro, que tem como ponto fraco algum excesso de imagens (algumas pobres páginas com oito fotos cada), talvez no intuito de mostrar trabalho. Do patrocinador, do fotógrafo.

Mas esse é ponto fraco. De resto o livro é bem apetecível. Pois se "Fotografar é assumir uma responsabilidade. As imagens que ficam para trás são rastos importantes para o futuro." (Mankell) o que Santimano deixa, responsavelmente, não é apenas um conjunto de postais sobre a beleza natural do Niassa (ainda que aqui e ali ela surja, avassaladora). É o mundo humano, feito do camponês, como o espantoso "homem emergindo do rio, que não é Narciso" (Patraquim?). Mas também, e nisso rompendo com  o constante e atávico olhar exoticizador dos fotógrafos em bolandas, com um mergulho no trabalho industrial do Niassa, de trazer a sua densidade, beleza. Essa a "responsabilidade" do Sérgio Santimano, a de afastar sem hesitação a folclorização. Do Niassa, do mundo. E, só assim, de o representar.

Também por isso, talvez por isso, toda a minha paixão por esta (Mulher de)"Macalange".

jpt

publicado às 16:07

Noite(s) de Maputo

por jpt, em 25.04.08

Kok Nam et al no ka mpfumo

publicado às 20:34


Bloguistas




Tags

Todos os Assuntos