Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

 

 

publicado às 17:16

No feedly (4)

por jpt, em 23.02.14

 

 

- O regresso de um ovni chamado Mler Ife Dada, um belo e acertado texto sobre música em Portugal, e sobre a bela banda que agora ... rejuvenesceu.

 

- Uma belíssima entrevista com o realizador José Fonseca e Costa, no cinéfilo sempre interessante À Pala de Walsh

 

- Qualquer português que se preze deverá ler este texto e todas as ligações que inclui. Pois Nuno Castelo-Branco no Estado Sentido tem deixado, ao longo de anos, uma avisadíssima reflexão sobre as reclamações portuguesas sobre a soberania das zonas marítimas e as dificuldades que implicam. 

 

- A problemática ucraniana demonstra o pensamento (e a ética) na esquerda comunista portuguesa. Este breve texto de Pedro Correia demonstra-o "até ao osso".

 

- Como ateu radical (algo que nada confundo com mata-frades) tenho um particular apreço por Bento XVI (personagem que alguns antropólogos portugueses funcionários públicos com funções de docência e/ou investigação tratam por Ratzinger, razão que deveria ser suficiente para o seu despedimento sumário, apenas por incompetência). Um breve e belo texto sobre o grande Papa: a mais nobre solidão

 

- Sobre a CPLP (a comunidade dos países de língua oficial portuguesa, para os mais distraídos) e a adesão da Guiné-Equatorial um texto final de Pedro Correia no Delito de Opinião.

 

- Fernando Tordo: o cantor, antiga estrela da canção portuguesa, anunciou que emigra para o Brasil por falta de trabalho e nisso criticou o "estado da arte" em Portugal. Vai-se ao google e entende-se, tantos os postais que lhe são dedicados, como criticar provoca que a mole (bloguística, internética) esquadrinhe a vida do crítico, e lhe deturpe os passos. Há sempre um filho da puta dentro de nós ...

 

- Não é sobre Portugal mas também é sobre Portugal: um excelente artigo "Why is Academic Writing so Academic?", mais do que recomendável leitura.

 

- No Sound + Vision está a ser publicada uma série de artigos sobre Lou Reed: Lou Reed em quatro discos (1); Lou Reed em quatro discos (2), são os já disponíveis.

publicado às 18:53

"...You do an album and then you have the rest of your life...."

 

publicado às 19:00
modificado por jpt a 23/1/15 às 01:40

 Uma versão da ira divina por Verdi no seu Requiem, num monoteísmo póstumo e funéreo.

 

Lou Reed (2/3/1942 - 27/10/2013)

 

publicado às 20:44
modificado por jpt a 23/1/15 às 01:40

Lou Reed

por jpt, em 27.10.13

 

O meu álbum (palavra que hoje já não tem o sentido sensual, até heróico, que teve no tempo do vinil) é "Berlin". O meu poema é "Caroline Says" e tenho uma filha Carolina e só espero, ateu rezando, que não venha a ter nenhum alaska dela,

 

 

ao meu país e às pessoas que lá vegetam percebi-o, percebi-as, tontas e vagas, como o continuam, foda-se, bêbedo e ganzado (high, na iconologia de então), algures entre os Olivais, o Cais do Sodré e as Escadinhas do Duque, com moles de heterossexuais cantando em coros gritados , guitarra imaginária na mão, o "wild side" que nem

 

 

adivinhavam o que era, o que eram, sempre quase todos na mania de classificar tudo e todos (algo que depois vim a chamar topologia), no caso quem beijava quem, iletrados do que era o verdadeiro lado louco da vida. Cresci com alguns dólares na mão

 

 

sempre a gingar, em busca do "meu homem", consumindo o que chegava mas escapulindo-me aos xutos mas de forma a que ele não o soubesse. Veio, o Vicious, tocar a Cascais nos meus 14 anos, três horas e tal, atrasado por jogar flippers nos bastidores, acabando a épica sessão, Aquiles on the road,  sentado no palco

 

Voltou vezes outras, e já trintão tardio vi-o no Atlântico, eu em versão respeitável, sóbria, mana e sobrinhos a tiracolo. Chegaram os amigos, velhos como eu, e de súbito, ainda que o olhar maternal da mana culpabilizasse, regressei a puto naquilo dos psicotrópicos, talvez, talvez a última vez. Logo dei comigo na primeira fila, em pulos

 

 

ganzado como um puto. Hit me with a flower ... gritei.

 

Tinha 24 anos, homem feito, até doutor, nos tempos da tropa. Entrei no quarto, o ainda da minha adolescência. E retirei o último poster da parede, que ainda lá estava o do "Música e Som" do Lou Reed. Oh, you're right and I'm wrong, não o devia ter feito

 

 

I'm gonna miss you now that you're gone.

 

Foda-se, fiquei hoje, estupidamente, sozinho.

publicado às 23:19

Politeísmo (87): dueto

por jpt, em 26.09.13

publicado às 16:50

Politeísmo (82)

por jpt, em 15.09.13

publicado às 21:26

Youtubismo

por jpt, em 02.07.11

Walking on the youtube side ...

 

 

Nico e VU, Femme Fatale (só é permitida a ligação, não se reproduz o filme)

 

 

só resta isso

 

jpt

publicado às 00:48

60 dias de facebooking

por jpt, em 18.06.11

Nunca gostei do sempre-repetido mandamento bloguístico "escreve sobre o que sabes. Link to the rest". Sempre me irritou o prescritivo sobre esta irresponsável actividade, na qual para mim cada-um-como-cada-qual. Os limites do saber próprio (quando este existe) estão no trabalho,  e isto do in-blog é para botar sobre o que vem à respectiva cabeça.

 

Para além disso o weblog é um diário, de impressões, e estas são (ou podem ser) múltiplas, esparsas - um tipo que só se interessa sobre o que sabe, caramba, é um chato. Claro que há os blogs especializados (dedicados), alguns fantásticos. Mas isso é uma saudável opção, não uma obrigação.

 

Mas o mandamento de "link to the rest" está estafado no bloguismo acima de tudo por razões tecnológicas. Com a vertigem imediatista do facebook, aquilo do clic-clic e ligação feita perdeu-se muito da dimensão inter-ligadora (e textual, reflexiva) do bloguismo. Aliás, os sistemas (blogspot, wordpress) terão que integrar essa função supra-ligadora. Ou desaparecem.

 

Como blogar neste contexto? Não sei bem, nem sei se isto tem muito futuro (há anos que se diz que o bloguismo è finito), ainda por cima com a "lentidão" ligadora que tem. Mas, pelo menos, é um sítio e um meio onde se pode escrever ... sobre o que não se sabe. Suprema liberdade potenciada pelo facebook, para onde podemos ir "linkar" coisas, fast-fast, clic-clic, com tanta vantagem ...

 

Uso o FB fundamentalmente como difusor de ma-schamba (a página blog ma-schamba, o grupo ma-schamba [modalidade que perdeu visibilidade nos murais devido às alterações do sistema FB] e o ma-schamba na aplicação NetworkedBlogs). Ainda assim acumulam-se as ligações, seja por réplicas imediatas de outros murais seja provenientes de outros suportes (blogs também). Como exemplo do supra-linkismo facebookista  actual, até vertiginoso, (mas também para meu arquivo, e esperando que alguém se divirta abaixol) deixo os meus dois últimos meses de facebooking, as aventuras nessa likeland reino do clic-clic.

 

A ordem da colocação aqui é inversa da cronológica ...

 

 

64. O (necessário, urgente) elogio da Culinária Moçambicana

 

 

63. Documentário de Werner Herzog sobre pinturas rupestres

 

 

62. Da enorme série "recomendações dos amigos-FB"...

 

61. Assange, o wikilikeakista: o facebook é máquina de espionagem! Estes romanos são loucos!

 

60. Constante reprise

 

59. Pérolas do youtube ...

 

58. Um número especial da Science et Vie dedicado ao acidente nuclear de Fukushima (via Klepsýdra)

 

57. Pérolas do youtube ...

56. O Byrne de oiro.

 55. The Clash "Should I Stay or Should I Go?": sem embebimento disponível ... É clicar e ouvir/ver ... 

 

54. Gorongosa. Fauna, Flora e Paisagens, um belíssimo trabalho fotográfico disponibilizado no facebook.

 

53. 30 Postais sobre Moçambique (elo retirado). Vale a pena lavar a vista.

 

52. José Sócrates: "seis anos de batota". Que herança ... A arquivar, para não o esquecer.

 

51. O "vai vir charters" do Paulo Futre. Uma bela peça de marketing mas, muito mais do que tudo, uma lição de rir-se de si próprio. Viva Futre! (o meu candidato ...)

 

50. O excelente Nkwichi Lodge no Lago Niassa, um verdadeiro eco-lodge e com gente porreira à frente, foi escolhido como um dos 101 melhores hotéis mundiais [Já lá estivemos e sobre isso botei, deslumbrado].

 

49. Da enorme série "recomendações dos amigos-FB"...

 

48. Da enorme série "recomendações dos amigos-FB"...

 

47. Da enorme série "recomendações dos amigos-FB"...

 

46. Da enorme série "recomendações dos amigos-FB"...

 

45. Directório de blogs expatriados. Aqui a secção Moçambique.

 

44. Um ascensão fulgurante, dançarinos moçambicanos integram o último trabalho de Beyoncé.

 

43. João Pereira Coutinho, no fim de José Sócrates, o pior dos políticos portugueses, com o tique máximo da anti-democracia: "um político que prefere negar a realidade e confunde uma crítica ao governo com uma crítica ao país". Que nunca mais volte, é um desígnio nacional, apesar das suas ameaças "em andar por aí".

 

 

42. O excelente sítio Buala a trabalhar sobre Ruy Duarte de Carvalho.

 

41. O Da Casa Amarela a comemorar o aniversário de Dylan

 

40. A AL é uma emérita coleccionadora de cartoons e tem um mural FB fantástico nisso.

 

39. No 70º aniversário de Dylan, ele sobre Elis Regina

 

38. Forever Mickey

 

37. Água Vumba premiada, a minha bebida moçambicana preferida. (Sim, apesar de militante da dupla 2M - Manica)

 

36. A propósito da crise, versão pop-pirosa ...

 

35. 3XMiles

 

34. The Guardian a olhar para a imprensa moçambicana e seu impacto social. O elogio do jornal "Verdade", o popular primeiro gratuito, que tanto modificou a paisagem mediática aqui. E que é líder na imprensa informática, com o vigor que coloca - celebrizando-se na cobertura dos acontecimentos de 1 e 2 de Setembro de 2010.

 

33. Dexter, via MVF - que tem um refinado mural FB. E talvez por isso tão pouco aqui culime ...

 

32. Mitos industriais perversos, via A Arte da Fuga, um bom pontapé no guevarismo e, mais globalmente, no acriticismo.

 

31. Um céu limpo global, fruto de um projecto fotográfico de grande monta.

 

30. Uma nova supernova. A página da National Geographic dá-nos maravilhas diárias ...

 

 

29. Naipaul por Naipaul - agora aflorando a "escrita feminina". Um elefante em loja de femininismos ...;

 

28. Aquando das eleições portuguesas uma reflexão sobre as aldrabices das sondagens políticas portuguesas. Já nas últimas eleições isso se discutiu no bloguismo - o peso simbólico (académico, como se científico, e mediático-televisivo) dos sondageiros, alimentado pela idolatria da numerologia continua a permitir a subsistência e sobrevivência gente. Urge o ostracismo moral. Para todos ..

 

27. No país da Dirty Dilma: também ler um Que fazer?;

 

26. Sobre os telemóveis. Cancerígenos ou não?, via De Rerum Natura. Questão de "estação estúpida"? Ou bem pior do que isso? E que efeitos nos fanáticos twitteristas?

 

25. Chegou o icloud da Apple, e deve mudar bastante as coisas - como por exemplo nunca mais perder os ficheiros por corrupção dos "discos-afinal-moles".

 

24. Notícia da publicação do Caderno de campo na Guiné-Bissau (1947) de Orlando Ribeiro. Para a agenda de compras quando em Portugal ...

 

23. Lou Reed Forever

 

22. Da enorme série "recomendações dos amigos-FB"...

 

21. Bela galeria fotográfica de arte moderna

 

20. Kare Lisboa, na Lx Factory: gente família a lutar bem com a crise. E nós de longe a torcermos pelo sucesso, bem-merecido.

 

19. Lembrei-me da gentil guitarra do Beatle. (um Beatle nunca é ex).

 

18. Bjork, Venus as a Boy: lembrei-me do vulcão islandesa, mas sem direito a partilha (a função "embeber" foi retirada do youtube para este filme). É clicar para ouvir/ver ..

 

17. Tomai lá com o Bach, em Lisboa disse uma velha-amiga

 

5032
Flying in a motorized paraglider over one of the most diverse continents in the world, George Steinmetz captures in his photographs the stunning beauty, potential and hope of Africa's landscapes and people. See the project at http://mediastorm.com/publication/african-air

16. África em vista aérea, uma galeria sumptuosa a mostrar o  trabalho de George Steinmetz, "fotógrafo americano que percorreu e fotografou as paisagens africanas ao longo de 30 anos. Sobretudo do ar, a bordo de um parapente motorizado":

 

 

15. Uma dupla de Siouxie, a última das moicanas ...

 

14. Lago Niassa declarado reserva natural pelo governo de Moçambique, uma boa notícia enquanto há rumores de que empresas se preparam para acelerar a exploração dos "recursos" minerais existentes.

 

13. Ads of the World: conhecer o inimigo. Para melhor o combater.

 

12. Canal de Moçambique, o mais belo título dos jornais moçambicanos, a abrir a sua página no facebook;

 

11. Imperdível, textos sobre Arte Contemporânea africana;

10. Eu lembrei o Tony de Matos e logo uma amiga-FB completou ...

 

9. O Grande Tony de Matos - que eu sempre recordo a actuar no Coliseu dos Recreios em meados dos anos 1980s, então sala-nobre de Lisboa e como tal vedada aos cantores populares. Foi "special guest star" de Vitorino e levantou o público à ... entrada. Um sucesso, uma reparação. 25 anos depois honra ao Vitorino que provocou o momento ...

 

 8. Da enorme série "recomendações dos amigos-FB"...

 

7. Da enorme série "recomendações dos amigos-FB"..

 

6. Uma série apaixonante, a ir ver: Closer To The Truth

 

5. Uma sumptuosa série sobre filósofos, disponível no youtube, ao qual chego via Crítica. Blog de Filosofia;

 

4. Vasco Palmeirim - um delicioso humorista dos novos tempos em Portugal que venho conhecendo via youtube ...

 

3. O silêncio dos livros, um belo blog mostrando leituras.

2. Retirado o título [o grau de doutorada] a deputada europeia [alemã] Silvana Koch-Mehrin que plagiou - informa o Diário de Notícias exactamente no dia em que deixei o resmungo sobre o posfácio dos plágios (e lembrando outro meu lamento mais dorido);

1. Stellarium, um fantástico programa informático que nos põe o planetário em casa (como qualquer miúdo da minha geração teria sonhado).

 

jpt

publicado às 13:10

Das artes de ser "cool"

por jpt, em 07.06.11

 

 

Ocorre-me, ocorreu-me, nestes últimos dias. Cresceu a minha geração a trautear este nosso hino "take a walk". Quanto a calcorreá-lo, ao tal caminhando, nem todos o fizeram. E dos que se atreveram nem todos, claro, percorreram o mesmo passeio. Alguns, e não foram assim tão poucos, nunca saíram da marquise. E ainda lá estão muito convictos de uma qualquer coisa, são os mais convictos de todos, acima de tudo que lá fora está a chover. E que, sob esse tecto, por detrás dos alumínios,  devem gritar à chuva que vai caindo. Mas mesmos esses imaginaram-se livres e cantaram, saracoteando-se, desajeitados, em poses rockeiras, ganzados, bêbedos ou até nada mesmo, coitados estes últimos,  "Holly came from Miami, F.L.A. / Hitch-hiked her way across the USA / Plucked her eyebrows on the way / Shaved her legs and then he was a she / She says, Hey babe / Take a walk on the wild side / Hey honey / Take a walk on the wild side". Muitos, claro, em mero esgar sem nada entenderem. Então exactamente como agora.

 

Ocorre-me, ocorreu-me. A propósito do difícil que é a arte de ser "cool".  E dos esganiçados que a tentam.Viu-se. O PA falhou ...

 

 

jpt

publicado às 20:30


Bloguistas




Tags

Todos os Assuntos