Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por jpt, em 02.09.04
No edição de hoje do semanário "Zambeze" Florentino Dick Kassotche publica "Um Adeus ao Raul Honwana - meu - nosso professor", uma sentida e bela homenagem a Raul Honwana. E muito merecida.

publicado às 15:04

O Algodão e o Ouro

por jpt, em 16.08.04
Ando a reler o O Algodão e o Ouro, de Raul Honwana, talvez aqui deixe algo sobre o livro. Entretanto dele retiro uma frase, aqui deixada para os saudosistas e para os moralistas críticos, que venha o diabo escolher quais os que menos compreendem o mundo. Mas é frase também para o agora."Era preciso que fôssemos livres de escolher o nosso próprio destino para que tivéssemos a responsabilidade de cometer pecados ou praticar actos virtuosos" (14).

publicado às 21:49

Raul Honwana

por jpt, em 09.08.04

foi dos que mais calorosamente me recebeu em Moçambique. Ainda eu recém-chegado, fui por ele arrastado até ao Zé Verde para uma noite de fados, forma excelsa de boas-vindas. À viola e guitarra lá estavam o Pico Soares e o Castel-Branco, acompanhando a dita "rouxinol da Mafalala" e um fadista cego de Quelimane, absolutamente espantoso nos seus tiques, trejeitos e até trinados alfacinhas.

Agora traz-me a angústia de uma amizade que não acarinhei o suficiente. Porque me obscureço com as múltiplas "coisas a fazer", mito a esconder um mísero umbiguismo. Deixa-me também o lamento de não ter conseguido alguns projectos comuns, discutidos em tempos já tão recuados. Ter-me-á então faltado o tempo, desculpo-me. Mas, pesando bem, talvez me tenha faltado uma correcta hierarquia de objectivos. Projecto de verdadeira cidadania foi o que Raul Honwana quis compartilhar. Pois haverá algo mais digno, cidadão, do que realizar centros de leitura para cegos, leitura audio e braille? Pois através deles oferece-se aos seus financiadores e executores a dignidade e o humanismo. Mas também um máximo de verdadeiro desenvolvimento, pois aí estarão sociedades a apoiar as minorias, sinal de bom.Cruzámo-nos há uns tempos na AEMO, lamentámos umas rasteiras sofridas. Ficámos de continuar a conversa. Não sou crente, não há outro qualquer sítio onde possamos acabar o interrompido. Ficou assim, é a morte.

publicado às 12:47


Bloguistas




Tags

Todos os Assuntos