Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

 

A sessão dos seminários do Departamento de Arqueologia e Antropologia da UEM desta semana, próxima terça-feira, dia 3 de Setembro, às 10 horas ("campus" da UEM, Faculdade de Letras e Ciências Sociais, anfiteatro 1502). Falarão Nuno Cunha (coordenador do Programa STEP da OIT para Moçambique) e Hélder Nhamaze (antropólogo, membro do Departamento)

 

Resumo:

 

O impacto do HIV/SIDA em Moçambique tem, entre outros aspectos, gerado profundas transformações na estrutura dos agregados familiares, com destaque para o crescente número de: (i) de agregados familiares chefiados por crianças; (ii) agregados familiares com idosos com a responsabilidade de tomarem conta e crianças; (iii) agregados familiares chefiados por mulheres; e (iv) agregados familiares com capacidade produtiva (de geração de rendimento) reduzida.

 

Embora ainda numa fase inicial do seu processo de transição demográfica, tais alterações na estrutura dos agregados familiares colocam alguns desafios para o pleno aproveitamento do chamado dividendo demográfico, esperado numa etapa próxima do desenvolvimento do país. A discussão sobre os modelos de protecção social jogam aqui um papel fundamental. Em última análise são estes os principais mecanismos capazes de garantir o bem-estar, e propiciar um efectivo desenvolvimento das capacidades dos indivíduos.

 

O artigo parte da análise dos Inquéritos sobre o Orçamento Familiar (IOF) para uma discussão qualitativa do referido fenómeno, tendo em vista o debate acerca das consequências presentes e futuras destas transformações e das respostas em termos de politicas públicas que têm sido avançadas nos programas de Governo.

publicado às 10:41

O Papa e os Preservativos

por jpt, em 20.11.10
[caption id="attachment_15975" align="aligncenter" width="450" caption="Bento XVI em Angola, 2009"][/caption]

Há um ano o Papa Bento XVI visitou países africanos e muito mal falou sobre o Sida e os preservativos. Muito mal pois fez tábua rasa sobre os contextos interpretativos das suas palavras, ao sublinhar (mesmo que em contexto relativamente privado) a oposição da igreja católica ao uso do preservativo. As críticas sucederam-se, por parte dos anticristos do costume. E a defesa arreigada do Papa (da sua infalibilidade?) apareceu até de gente de de quem se esperaria melhor entendimento. Lembro, em contexto português, a excelência da posição de António Lobo Xavier, bem acima dos trogloditas topológicos que apenas querem berrar.

Agora o Papa refere a relativa aceitabilidade do uso dos preservativos. Que não são a solução, mas que em que alguns casos poderão e deverão ser utilizados face à doença. Era isso que então se pedia. Ponderação na utilização da palavra e compreensão quanto aos contextos da sua interpretação. Ponderação na filiação a alguns valores, que não serão os centrais da igreja. Uma coisa são os fundamentalistas irracionais que querem que a igreja católica se negue a propósito do sida (ou de qualquer outra coisa), outra será a expectativa daqueles (crentes ou não) que desejam a influente igreja católica colaborante de modo abrangente na luta contra as concepções e as práticas que fazem propagar a maldita praga.

Esta declaração papal levantando o ónus radical da utilização dos preservativos é um momento histórico (e não sendo nada especialista, acredito até que o é na história da igreja católica). Um passo importante na prevenção do sida . Que seja divulgada - e não só no seio dos católicos, já então referi o peso (até simbólico) das palavras do Papa no seio de outras confissões religiosas.

Adenda: o PPM transcreve (e em versão portuguesa) as declarações de Bento XVI sobre a utilização de preservativos. Independentemente de outro tipo de discussões quando as lemos só as podemos saudar, pensando em tantos contextos africanos onde o preservativo é considerado seja um pecado seja como arma de disseminação do sida (é necessário lembrar que parte do próprio clero católico reproduz a ideia de que o sida é invenção europeia para exterminar africanos e ocupar a terra; é necessário lembrar a crença, recorrente, de que a lubrificação dos preservativos é o agente letal de infecção). Isto tanto em contextos católicos como em cristãos como de outras confissões religiosas.

jpt

publicado às 22:33

Mais sobre preservativos e sida

por jpt, em 28.03.09

Sobre sida, preservativos e a hierarquia católica, em particular o Papa, abaixo estão alguns textos. Expressando também o espanto por forma e conteúdo das declarações do Papa em África terem sido tão bem acolhidos - recepção que ecoa, por um lado, a máxima "o respeitinho é muito bonito" e, por um outro, o facto de muitos muito falarem mas só do pequeno mundo que lhes é a paróquia (ou até mesmo a mera sacristia).

Para esses, "respeitadores" (até os da vertente "multicultural"), será interessante olharem-se nas declarações do bispo de Viseu sobre o preservativo. Pode ser que aprendam algo. Sobre eles próprios.

publicado às 21:09

...

por jpt, em 24.03.09
Uma delícia no Klepsýdra.

publicado às 13:35

Papa em África

por jpt, em 22.03.09

Acabo de ver em diferido. No último minuto do último Quadratura do Círculo (aqui audível) António Lobo Xavier, com extrema ponderação a dizer o fundamental, o necessário sobre as afirmações do Papa relativas à utilização do preservativo no combate ao sida. Como é óbvio, sem ponta de anti-clericalismo ou fundamentalismo ateu. Ou do seu pobre inverso, o catolicismo de barricada. Livre pois de reaccionarismo cultural. Apenas clarividente. Cosmopolita.

publicado às 21:04

A infalibilidade do Papa

por jpt, em 21.03.09

Aos críticos das declarações do Papa sobre sida e preservativos, nesta sua deslocação a África, Francisco José Viegas chama "flibusteiros" e alarves, Paulo Pinto Magalhães considerou ineptos, e Vasco Pulido Valente resolveu-os histéricos. São exemplos de conhecidos bloguistas, entre tantos outros, ecoando o impacto da questão em Portugal.

Haverá dois níveis da análise disto:

1. o rasteiro, à imagem da argumentação alheia. Vasco Pulido Valente resolve a questão, largando a típica superficialidade que tanto lhe aplaudem: "Muito pelo contrário, do ponto de vista dele [Papa], era ali, numa situação extrema e manifestamente ambígua, que devia reafirmar o que julga ser a verdade."

A inteligência da afirmação é totalmente similar a alguma que defenda as afirmações da Nobel da Paz Wangari Maathai que considera ser o sida uma criação europeia (aliás, branca) para destruir África. Ou que defenda o cardeal de Maputo quando este considera que a epidemia é espalhada propositadamente pelos países europeus, por via de medicamentos e preservativos. Pois se acreditam nestas verdades não têm eles o direito (até mesmo o dever) de a divulgar? - dir-se-á que são meros dislates, que não são comparáveis. Há provas científicas disso? Ou, tal como eu, crê-se que são dislates?

Ou serão eles criticáveis e o Papa acriticável? Ainda infalível ou como se tal, mero vestígio simbólico dessa velha crença dogmática?

Mas isso não é o fundamental sobre estas declarações generalizadas.

2. O que é notável é a forma de apropriação da questão (da sua "nacionalização"). De tudo o que li o mais elucidativo é este comentário de Suzana Toscano, que João Gonçalves reproduziu: "Tornámo-nos uma sociedade de grande sentido prático mas de reduzido sentido de valores.". Ora é exactamente aqui que está a questão: qual sociedade? Quais valores, quais sentidos? (por favor, agora a "aldeia global" de mcluhan não, há limites para o esparvorar).

Esta aparente evidência, e recorrentemente afirmada (já de si muito discutível, pois na prática é um mero avatar da invectiva à laicização, mesclado com a velha utopia da idade de ouro passada) demonstra exactamente de que falam e do como falam. Na prática não interessam os assuntos tratados. Estes são apenas matéria para discorrer sobre a tal sociedade (a própria, como é óbvio). E, nessa, proceder ao constante jogo topológico: se num outro blog, outro partido, outro jornal, outro grupo, alguém favorece ou contraria algum facto, então urge contrapor, vincar as posições mútuas, o inter-distanciamento, a inter-dependência. Ser.

O real, esse, interessa apenas para o jogo. Que não é mera retórica. É, afinal, o só real.

3. Finalmente. As declarações do Papa em África sobre o preservativo são marcadas por contextos comunicacionais (que começa - e isto para os do "anti-intelectualismo", que gostam de gozar com o que não lhes cabe na algibeira - pela simples opção da língua em que fala), neste caso estrondosos. E por um contextos interpretativos. Nesse sentido os seus efeitos (que são procurados, estrategizados, claro), as suas traduções, não são os de uma paróquia burguesa portuguesa.

Quem incompreende isso, quem não quer atentar nisso, esse sim é um inepto, um histérico verborreico. Um pirata.

publicado às 03:59

O Papa em África

por jpt, em 19.03.09

O Papa está em visita a vários países africanos, tendo-se referido à questão do sida. Sobre isso escreveu João Gonçalves [I, II] e em ambos deixei comentário.

Os blogoanos passam e só me resta repetir-me. Sobre sida o que me ocorreu já aqui está.

publicado às 23:10

O Anti-Cristo em África

por jpt, em 18.03.09

O Papa visita África e fala sobre preservativos.

publicado às 12:41

As ideias de Mbeki sobre o Sida

por jpt, em 11.11.07

Está no Domingo de hoje o eco de um artigo no Guardian sobre as posições de Mbeki relativas ao Sida. Continua sendo, como refere o seu biógrafo oficial, um "dissidente do Sida". Continua agitando e promovendo um documento por ele elaborado já nesta década no qual defende nada curiosas teses: o vírus HIV não é o causador da doença; os investigadores da doença são quais cientistas nazis dos campos de concentração; os africanos que aceitam a visão da ciência médica sobre a doença são vítimas de uma auto-infligida mentalidade de escravos.

Uma continuada visão em Mbeki e em vários dos seus seguidores sul-africanos, com eco em tantos membros das elites africanas (a Nobel da Paz Wangari Maathai, o cardeal de Maputo são sonantes exemplos) - representam uma transferência letrada das visões populares sobre o Sida (e a estas alimentam), mas não só. Nelas se reconhece um profundo anti-capitalismo confuso (pois brotado em políticos de acção pró-capitalista), traduzido em aparente recusa do capitalismo da indústria farmacêutica, sinal óbvio da confusão ideológica dessas elites políticas (dramático caso em Mbeki, ainda assim dos grandes líderes africanos actuais).

Mas mais do que isso, dois outros vectores a sustentarem esta "teoria conspiratória do Sida", avatar contemporâneo da "teoria conspiratória da história": por um lado, um óbvio, profundo, dramático, ressentimento com o "ocidente", com o "homem branco" - aqui anunciado como genocida perene, autor da epidemia que dizima as populações do continente. Há uma doença avassaladora em África? Pois a responsabilidade, autoria e gestão, é dos brancos. Esta é uma constatação constante. E, por muito que seja historicamente compreensível tal angústia com os antigos colonos, ela é no caso presente patética (e pateta). E, para além da questão do Sida, este fundo moral e ideológico dificilmente será constitutivo de algo positivo - o "inimigo externo" como culpável de tudo não me parece grande argumento de desenvolvimento e de justiça social. E, neste caso, de saúde pública. Mas esta culpabilização rácica apela ainda a outra consideração, a de um actual e futuro espartilho para aqueles que recusam as categorias raciais como explicativas da acção humana: incrustados que parecem estar entre os racistas de várias cores, propondo estes supremacias racionais e civilizacionais (como acontece entre o trogloditismo de tez branca) e supremacias "históricas" e morais (como agita o trogloditismo de tez negra) [e aqui nem refiro outros locais do espectro de cores].

Finalmente, esta concepção constante de que os fenómenos têm uma "mão visível" subjacente, que a desordem (a doença mortal, neste caso a pandemia) é originada por uma vontade humana malévola, é a constante de uma cosmovisão feitícica, a sua actual demonstração religiosa, essa que elege o feitiço esconso como motor da acção social (muitos há, e até antropólogos encartados que chamam a isto fatalismo - e daí ao postular de um atavismo apenas lhes custa um dos seus pequenos passos -, símbolo de que não percebem nada disto). Ou seja, um entendimento geral subordinado a um extremo homocentrismo, em que as causas dos fenómenos têm que ser os indivíduos, mortos ou vivos, na sua constante e imortal interacção.
Por esta mesmo tão interessante - apesar do drama do Sida, apesar da tristeza racista - é ver as elites mais "modernizadoras" (como Mbeki) e mais cristãs (como os representantes do Vaticano) actuarem no quadro cosmológico tão perseguido pela actual revolução religiosa em África. Interessante de olhar enquanto se espera um novo Copérnico que aqui descentre o universo deste pobre pó que são os homens - não tão omnipotentes assim, nem quando vivos nem quando espíritos.

publicado às 16:35

O cardeal de Maputo sobre o Sida

por jpt, em 29.09.07
Pois, há quem tenha ouvido as declarações do Cardeal de Maputo sobre a disseminação do vírus do Sida através dos preservativos, algo produzido propositadamente por dois países europeus para exterminar os africanos. Num país devastado pela doença (dita, correctamente, pandemia) e com um enorme esforço para a combater, que reacção terá o Vaticano - o clero depende do Vaticano, não do Estado, um aparte para os mais enfurecidos e por isso distraídos - face a estas opiniões publicitadas?

Será que preferirá valorizar o recente esforço na colecta do dízimo aos católicos?

publicado às 12:56

(Quase) Uma semana de Pretória.

por jpt, em 29.09.07
1. Das medicinas privada e pública. Na privada (sul-africana) douta opinião do tira-tudo, acompanhada da lista de honorários - nem grande coisa diga-se. Na pública (santa terrinha) douta (e fraterna) opinão do espera-e-não-tira, sem honorários claro. Os óbvios malefícios do Serviço Nacional de Saúde. [O casal paterno, talvez porque óbvio socialista, tira nada.]

2. A Exclusive Books [entenda-se, a hiper-FNAC lá do sítio] de Neilspruit é melhor do que a Brooklyn Mall (Pretoria) e quase do que a de Sandton (JHB).


Onde vive a "elite" de lá, afinal em Trás-os-Montes?

 

3. Decadência sul-africana.

Não há novo livro de Madam & Eve.

 

4. Qualquer coisa sul-africana.

Cheira a Zuma.

 

5. Maputo (no regresso, mas antes também). No BB (belo blog) Solvstag cita-se Miguel Esteves Cardoso. Ler e comprovar que no Shamwari (ao talho Polana) se serve a melhor cerveja de pressão (aka "imperial") da cidade.

 

6.
Maputo (no regresso, a ler e ouvir de Portugal). O meu ex-Presidente (e por isso sempre respeitado) Pedro Santana Lopes muito bem, baldando-se por ter sido trocado pelas malas da família Mourinho. E a minha surpresa com alguma da muito minha gente a não perceber, tamanha lhe é a clubite rosa, de que se trata mesmo da "a infantilização assassina que nos assola como uma praga ...", diga-se neste caso a futebolização.

 

7. Maputo (no regresso, a ler e ouvir de Portugal). Por falar em bola, eis o sossego da sociedade civil, a "auto-estima" lusa, a exigir outro Trapattoni "campeão". O apito rubro? Sócrates (o inventor dos dez estádios do Europeu, então o arauto da sociedade [da construção] civil]) agradecerá.

 

8. Maputo (no regresso, a ler e ouvir de Portugal). Mentira pura nas palavras de Ruben A. Há imensa gente que atende o telefone. Portanto, pois ...

 

9. Maputo. E então, muito caro leitor frequente, deseja algum comentário face à polémica relativa às afirmações do arcebispo de Maputo sobre o Sida e suas origens? Menezes, meu caro leitor, Menezes ...

 

[ainda que ... em estando gravado se poderá dizer "nada de novo sob este céu" - os brancos de tudo têm culpa (sua condição semi-divina, dir-se-ia); e o preservativo como a arma do deboche não-marital. É o pacote habitual, amancebando-se (não sacramentalmente, já agora) com as ideias populares, de que é na camisinha que mora a doença e que são os brancos que a trouxeram para ficarem com estas belas terras. Contudo a Terra move-se, ainda que a Igreja Católica se atrase.]

 

10. E falando de coisas bem importantes. "Old age", diz-me o mecânico, meneando a cabeça até pesaroso, face às múltiplas mazelas do meu

 

Musso. O nosso fim avizinha-se? Que será de mim?

publicado às 05:28

...

por jpt, em 10.01.07
Dois pequenos textos interessantes: um sobre o Sida em Mocambique e outro sobre a memória do comércio de escravos em Zanzibar. Interessantes também pela forma como sendo textos pacíficos, permitem tanto asnear na leitura (é ir-lhes aos comentários).

Tags:

publicado às 10:32

...

por jpt, em 10.01.07
Dois pequenos textos interessantes: um sobre o Sida em Mocambique e outro sobre a memória do comércio de escravos em Zanzibar. Interessantes também pela forma como sendo textos pacíficos, permitem tanto asnear na leitura (é ir-lhes aos comentários).

Tags:

publicado às 10:32

...

por jpt, em 22.08.06
Barack Obama, the only black United States senator, criticised South African leaders on Monday for their slow response to HIV/Aids, saying they were wrong to contrast "African science and Western science." Aids activists say Health Minister Manto Tshabalala-Msimang is creating deadly confusion by pushing traditional medicines and a recipe of garlic, beetroot, lemon and African potatoes to combat HIV/Aids while underplaying the role of anti-retrovirals (ARVs). "The minister of health here has tended to equate traditional medicines to anti-retrovirals, so on the treatment side the information being provided by the minister of health is not accurate," he said. "It is not an issue of Western science versus African science, it is just science and it's not right," Obama told reporters outside an HIV/Aids clinic in Cape Town's Khayelitsha township."

Uma das mais enigmáticas questões na vizinha África do Sul é a retórica (e a prática?) do seu governo face ao sida. A consideração da pobreza como causa da doença - o que sendo, em determinado registo, uma verdade é absolutamente letal em termos de campanha de prevenção. E a valorização da dieta "africana" como curativa - mais uma vez, é uma verdade relativa, mas suicidário em termos de estratégias dilatórias do inimigo principal, a morte.

É muito reduzido o que conheço do "ambiente moral" do poder ANC, esse que implica a recorrente afirmação destes argumentos, e a recusa em matizar as declarações públicas. É pois nesse registo de superficialidade de conhecimento (e de rapidez de escrita e reflexão) que associo estes discursos a alguns factores ideológicos, que não se encontrarão apenas na RAS mas que ali assumem particular visibilidade.

Por um lado o anti-ocidentalismo/anti-americanismo, produzindo o mito da doença como causada pelos ocidentais, para destruição de África. Ainda recentemente, e para espanto geral, ecoado pela Nobel da Paz, a queniana Wangari Maathai, e algo que tantas vezes se ouve no seio das populações. Como seu corolário a desvalorização (prática) das causas efectivas da transmissão da doença, assim obscurendo os métodos de prevenção. Associando-se-lhe um anti-capitalismo (e até, por vezes, uma ideologia anti-industrialista, confusamente ligado a um necessário "regresso às origens" auto-valorizador, auto-indutor de desenvolvimento), talvez algo retórico, mas que conjuntamente com o factor anterior se prende com o profundo mal-estar com as questões da notória dependência político-económica de África (e o regresso, nada encapotado, das teorias dependentistas - essas que, paradoxalmente, esvaziam de humanidade "agencial" os próprios africanos, no fundo um reaccionarismo ocidentalocêntrico, um altercentrismo, que escapa aos seus locutores). Anti-capitalismo/industrialismo esse que, neste caso, implica a desvalorização dos medicamentos em prol dos produtos biológicos (a dieta).

E, sem de tudo isso estar desligado, um endogenismo, a reclamação do primado das forças próprias. Um paradigma, claro que válido para tantas dimensões da realidade, mas que submerso neste caldeirão ideológico surge como valorizando a (certo que benéfica) batata-"africana", et al, contra os anti-retrovirais químicos-"ultramarinos". Um endogenismo que, amíude, alimenta um, surpreendente (?) regresso do "nativismo", a valorização dos saberes locais, indígenas. Mais uma vez uma verdade relativa, uma ideologização do reconhecimento, utilização (e salvaguarda, já agora) da pluralidade cognitiva. Assim substituindo uma histórica subvalorização (e perseguição) por uma desejada sobrevalorização, de contornos muito dúbios. E muito do discurso público (e até académico) sobre as relações entre a medicina formal (dita biomedicina) e medicina(s) tradicional(ais) encerra-se neste amplexo esganador.

Um outro (e aqui último) ponto, também ideologicamente ligado. A afirmação do ocidentalocentrismo da(s) ciência(s) e da necessidade de erigir conceitos, problemáticas (metodologias) africanas. Reconhecido o carácter histórico, social, contextual da produção científica, das relações de poder que esta encerra, que as constituem (e poluem) reclama-se ciência local - a medicina africana, a sociologia africana, os etcs africanos. E quem reclama da universalidade (tendencial) do discurso científico, localmente aplicável, localmente reformulável, sempre actualizável, afronta-se com o muro de beco constítuido pela afirmação (acusação) da característica também ocidentalocêntrica desse universalismo pretendido.

Enigmática questão, iniciei eu, esta a da conceptualização do poder sul-africano sobre o sida, esse que vai devastando o país e o continente. E das similitudes que se encontram no discurso público alhures - entenda-se que um discurso sobre o sida com estes contornos não se encontra nas altas esferas políticas moçambicanas (e se, por mera hipótese, existir pelo menos não tem expressão pública). Enigmática questão pois parece-me que a conjugação de um conjunto de questões todas elas válidas (entenda-se, questionáveis, discutíveis), acima elencadas, se torna húmus para um inconceptualização. E que, ainda por cima, não parece corresponder a qualquer interesse passível de ser confrontado, associado, com o drama da sida.

Entretanto neste caso como em tantos outros, na África do Sul muitos destoam destas posições afinal simplistas (ainda que não simples). Com eles, claro, Nelson Mandela. O Homem...

publicado às 07:27

Agora Existo

por jpt, em 04.12.05



"Agora Existo", um documentário da jornalista Anabela Saint Maurice (RTP) rodado em Outubro em Moçambique, sobre a realidade do Sida aqui. Transmitido na RTP-África no 1º de Dezembro para assinalar o Dia Mundial da Sida.

O olhar jornalístico europeu sobre África é relativamente padronizado. O português é-lhe exemplo talvez máximo. Tudo moralista, das boas intenções às boas impressões, uma mistura de "denuncionismo", "coitadismo" e "exotismo", um caldo de pitoresco entre capulanas, raparigas sorridentes, estropiados das minas, corruptos e famintos, com pôr-de-sol em terra batida por pano de fundo, com maior ou menos enfoque nas aventuras havidas pelos ditosos jornalistas em causa. Tudo isso resultando em produtos oscilando entre o indigente e o até abjecto. Produzindo sensações e, mais que tudo, desconhecimento.

Também por isso, mas acima de tudo pelo seu valor intrínseco, que até se desmerece em comparações com o padrão habitual, muito é de saudar este documentário da RTP, "Agora Existo" de Anabela Saint-Maurice. Abordando a realidade dos seropositivos em Moçambique (com excertos em Naamacha, Beira, Caia, Chiure, Ibo - um rápido "da Naamacha ao Ibo" qual metáfora do célebre "do Rovuma ao Maputo") Saint-Maurice trouxe a vida dos doentes, suas dificuldades, as irredutíveis e as esperançosas, sem a sua vitimização usual, essa que "desagencia" os indivíduos, os naturaliza desumanizando, passivizando-os. Gente doente fazendo pela vida, reclamando a vida, estrategizando pela vida. Curandeiros doentes lutando contra a doença, ali sem exotismo (e o como deve ser difícil a um europeu de passagem evitá-lo neste caso), putas meninas sem preservativo e sem denuncianismo, poligamia também, hospitais no o como existentes, nisso do mostrar o real actual e o que talvez venha a ser. Sem a lágrima fácil, vendo gente a andar, mesmo que por vezes trôpega. E isso sem que haja fechar dos olhos, penso que as imagens da praga de ratos na enfermaria feminina do Hospital da Beira ficarão na história. Saint-Maurice não facilitou. Um belissimo programa. Vénia.

Vejam. E se alguém que por aqui passe conhece a jornalista diga-lhe, sff, que há bloguista que gostou.

publicado às 11:09


Bloguistas




Tags

Todos os Assuntos